Nova geração masculina passa a fazer exames de rotina

A nova geração masculina está mudando de comportamento e fazendo exames e consultas de rotina. Os homens mais velhos, no entanto, continuam procurando atendimento motivados pela urgência, diferentemente das mulheres que são mais adeptas da medicina preventiva.

Agência Estado |

"Uma vez por ano, a mulher vai ao ginecologista, que já costuma pedir os exames de sangue. Já o homem não tem o costume de ir ao médico", fala o clínico geral Paulo Olzon, chefe da disciplina de Clínica Médica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

De maneira geral, o clínico diz que os exames de rotina masculinos mais importantes são o hemograma completo, colesterol, triglicérides, ácido úrico, glicemia, uréia e creatinina. Para os que costumam ingerir álcool, recomenda monitorar o fígado com exames como o transaminases e de atividade de protombina. Os sedentários têm de ficar de olho também no coração, fazendo o teste ergométrico. Da mesma forma, os fumantes devem recorrer à radiografia dos pulmões e investigar sinais de arteriosclerose (problema de circulação).

Segundo Olzon, quando se tem boa saúde e tudo está bem, esses exames podem ser repetidos a cada três anos; dos 40 aos 50, a cada dois anos, e a partir daí, anualmente. "A mulher sente outras coisas porque tem mudanças hormonais, os ciclos de menstruação. Ela tem uma ligação mais forte com o médico e vai se acostumando a fazer os exames", fala o clínico, sobre o hábito feminino de ir ao médico. "A freqüência dos exames masculinos, porém, muda se existe predisposição familiar a certas doenças. Isso depende de cada paciente e dos fatores de risco."

Há inúmeras doenças que podem acometer o órgão do prazer e da reprodução do homem. Muitos ainda resistem às consultas com o urologista. "Existe uma resistência, que é fruto de um aspecto cultural, como se o homem não precisasse de ajuda, sofresse de um complexo de super homem", opina o urologista Paulo Egydio. "As mães costumam levar as filhas ainda adolescentes ao ginecologista. Na puberdade, os pais também deveriam levar seus filhos ao urologista. Geralmente são as mulheres ou namoradas que marcam a consulta."

Prevenção

Nessa primeira visita, o especialista pode detectar problemas precocemente, e também costuma explicar sobre as características dos órgãos genitais, doenças venéreas e uso de camisinha. Segundo Egydio, 15% dos adolescentes têm varicocele (varizes na região do escroto), um problema que, mais tarde, interfere na fertilidade.

"Seria muito mais fácil descobrir isso já na adolescência e tratar com uma microcirurgia. Mas, geralmente, os homens só vão descobrir o problema quando estão tentando ter filhos", lamenta. Para ele, a partir da adolescência, o ideal é que o homem retorne a cada cinco anos ao urologista, se não apresentar problemas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Fabiana Caso

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG