Nova Câmara do DF custará 323% além do orçado

A nova sede da Câmara Distrital do Distrito Federal, que tem pelo menos 9 dos 24 deputados envolvidos no escândalo do mensalão do DEM, teve o custo aumentado em 323%. Quando o edital foi lançado, em 2001, a previsão era gastar R$ 23,6 milhões na obra.

Agência Estado |

No próximo mês de fevereiro - para quando está prevista a inauguração - o orçamento final deve chegar a R$ 100 milhões, conforme os últimos cálculos feitos pela Secretaria de Obras do governo.

A explicação para o estouro do orçamento é que o projeto inicial previa uma obra acanhada, sem garagem. Depois, de revisão em revisão, o prédio ganhou um heliponto, mais um auditório e estacionamento para cerca de 1 mil veículos, além de 30 gabinetes para os deputados distritais. Atualmente são 24 parlamentares, mas se presume que, com o aumento da população, possam chegar a 30 nas próximas eleições.

A nova sede do Legislativo do Distrito Federal virou um prédio de luxo, com área construída de 48.670 metros quadrados, quatro pavimentos, piso de granito e paredes de vidro. Fica no Eixo Monumental, a avenida que - seguindo dois quilômetros rumo ao Congresso e ao Palácio do Planalto - se transforma na Esplanada dos Ministérios.

Por causa das alegadas deficiências do projeto original e suspeita de superfaturamento levantadas pelo Tribunal de Contas do DF e pelo Ministério Público, as obras da Câmara ficaram paradas de 2004 a 2008. Um acordo entre o governador José Roberto Arruda (DEM), Câmara Legislativa, Ministério Público (MP) e Tribunal de Contas possibilitou o recomeço das obras, a cargo da Via Engenharia.

Caixa de Pandora

A construtora teria doado R$ 300 mil para a campanha de Arruda, conforme planilha do ex-secretário de Obras Márcio Machado. No dia seguinte à divulgação da planilha pelo jornal O Estado de S. Paulo, o secretário pediu demissão. A Via Engenharia recusou-se a fazer comentários sobre a obra e, por meio da assessoria, informou que só a Secretaria de Obras poderia se manifestar.

A pasta afirmou que o prédio já consumiu R$ 95 milhões, devendo chegar a R$ 100 milhões com o acabamento. Arruda está sob investigação da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal (PF), acusado de ser o chefe do esquema de cobrança e distribuição de propinas, envolvendo deputados e secretários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG