Por Mike Collett-White LONDRES (Reuters) - A cada novo filme de James Bond, mais um debate sobre o papel das mulheres na franquia que já dura anos. No recém-lançado 007 Quantum of Solace, a personagem de Olga Kurylenko, Camille, foi descrita como modelo de mulher para contracenar com o 007 de hoje - forte, independente e moderna.


Ela divide o pôster do filme com James Bond, cumpre uma missão perigosa própria e, diferentemente da maioria das Bond girls, não acaba na cama com o agente secreto fictício.

Mas nem todos ficaram bem impressionados. Vários críticos acharam que deveria haver mais sexo no filme, e não menos, e sites de fãs argumentaram que a maioria das Bond girls, incluindo Camille, tem pouca importância para a trama e a popularidade dos filmes.

A revista Rolling Stones tachou Camille de "a Bond girl menos interessante" da série.

O papel das mulheres nos filmes de James Bond é discutido desde que a franquia de 22 filmes começou, 46 anos atrás. Elas já foram descritas como tudo, desde vítimas seminuas de um superespião misógino até ícones feministas.

A produtora de filmes Bond Barbara Broccoli recentemente descreveu como "progressistas" algumas das primeiras Bond girls, que tinham carreiras e eram predadoras sexuais. Enquanto isso, a escritora feminista Fay Wheldon foi citada como tendo dito: "Esses filmes foram tentativas feitas por homens de manter as mulheres em seu lugar e garantir que elas continuassem a passar as camisas deles."

A ucraniana Olga Kurylenko acha que Camille difere das Bond girls anteriores.

"Ela é muito forte, quase igual a Bond, muito independente, tem sua missão própria", disse à Reuters recentemente a atriz, que completa 29 anos esta semana.

Os fãs da série dizem que as Bond girls tendem a refletir os tempos em que aparecem.

Tom Buxton, do site de fãs www.mi6.co.uk, comentou: "Foi apenas em 1973 que Bond foi visto tendo um relacionamento inter-racial. Nos anos 1980, quando a preocupação com a epidemia de Aids estava no auge, houve um esforço consciente para amenizar as conquistas de Bond. Foi preciso esperar 35 anos para a Bond girl principal ser asiática".

Mas Graham Rye, editor da 007 Magazine e autor de "The James Bond Girls", acha que Vesper Lynd, representada por Eva Green no primeiro filme de Daniel Craig como Bond, é uma personagem muito melhor que a de Camille.

"Acho que a história de 'Cassino Royale', em que Bond se apaixona por Lynd e ela por ele, vai agradar às mulheres mais do que um filme em que ele só transa três ou quatro vezes."

Leia mais sobre James Bond

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.