Planos de saúde devem esclarecimento sobre falta de substância, diz PROCON¿." / Planos de saúde devem esclarecimento sobre falta de substância, diz PROCON¿." /

Nota de esclarecimento da Medial Saúde

Leia abaixo a nota divulgada pela assessoria de imprensa da Medial Saúde sobre a reportagem publicada pelo Último Segundo intitulada ¿http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/07/30/planos+de+saude+devem+esclarecimento+sobre+falta+de+substancia+diz+procon+7585989.htmlPlanos de saúde devem esclarecimento sobre falta de substância, diz PROCON¿.

Redação |

"- A respeito do caso da Sra. Hanako Tsujimoto, a Medial esclarece que é incorreta a colocação: o laboratório Omni-CCNI recusou a realizar o exame. A informação prestada pelo laboratório Omni-CCNI à beneficiária foi que, devido à escassez do medicamento em todo o mercado, o período de espera para a realização do referido exame seria de aproximadamente 45 dias, informação essa confirmada pela própria Sra. Hanako à ouvidoria da Medial.

Como a beneficiária optou por não aguardar o período estipulado pelo laboratório, foi agendada consulta com médico especialista do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), onde, a partir de 5 de agosto, será dada continuidade ao seu tratamento, inclusive com a realização dos exames necessários.

- A matéria ainda afirma: A Medial afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não realiza exames com a substância radioativa em falta, o molibdêndio. A informação prestada pela empresa foi que a Medial Saúde não realiza este exame em sua rede própria de atendimento. Cabe à Medial, como operadora de plano de saúde, autorizar a realização do exame em laboratórios credenciados, o que está sendo feito. No caso da falta da substância no laboratório escolhido, a Medial indica outros locais que possam realizar o exame. Estas informações haviam sido prestadas à jornalista.

- Estes serviços credenciados não têm obrigação formal de comunicar às operadoras de saúde sobre a falta de materiais e medicamentos. Portanto, a empresa, como qualquer outra operadora, não teria como identificar o problema. Porém, reafirmamos o compromisso da Medial com a prestação de serviços de qualidade que primam sempre pelo conforto e bem-estar de seus beneficiários.

- Durante o contato com a jornalista, para repercutir esta questão que impacta todo o sistema de saúde suplementar, sugerimos que consultasse as instituições representativas do setor ¿ Fenasaúde e Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo). Como alternativa, a jornalista também poderia ter consultado outras operadoras, hospitais e laboratórios, que são os demais protagonistas do sistema.

- O paciente Fernando Colela, outro personagem da matéria, não é beneficiário da Medial Saúde, ao contrário do que a matéria parece indicar. Entendemos que, uma vez que a Medial Saúde foi citada no caso da Sra. Hanako Tsujimoto, era pertinente a operadora de saúde deste beneficiário ter sido consultada.

Por fim, ratificamos nosso comprometimento e interesse em colaborar com a transparência das informações prestadas via imprensa, pois acreditamos no papel fundamental do jornalismo como prestador de serviços à população."

    Leia tudo sobre: câncer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG