Norte e Nordeste têm 'apagão' no registro civil

Em Estados como Piauí e Maranhão, boa parte dos nascimentos e mortes não são oficializados

iG São Paulo |

Nas regiões Norte e Nordeste do Brasil muitas crianças não são registradas quando nascem e não são registradas quando morrem, especialmente se morrem após o parto. Esses dados fazem parte da mais recente pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do registro civil, divulgada nesta sexta-feira. Ela reúne dados sobre nascimentos e mortes, casamentos e divórcios.

Segundo o IBGE, 43% das mortes de crianças brasileiras com até um ano de idade não foram registradas em 2009. Em Estados como Maranhão, Piauí, Alagoas e Rio Grande do Norte, esse número vai a 75%. Para toda a população, o número é bem menor. Em 1999, cerca de 18% das mortes não foram registradas. Hoje, esse número é de 9,5%. Nas Regiões Norte e Nordeste a situação melhorou, mas continua alta. Nessas duas regiões, uma em cada quatro mortes não são registradas. No Maranhão, por exemplo, quase metade das mortes não são oficializadas.

Uma em cada três crianças nascidas no Amazonas, Pará e Roraima não é registrada quando nascer

Por outro lado, um terço das crianças do Amazonas, Pará e Roraima não são registrados quando nascem. Os Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina praticamente eliminaram esse problema e o Brasil, em média, apresentou uma melhora significativa. O número de brasileiros não registrados ao nascer caiu de 20,7% em 1999 para 8,2% em 2009.

A falta de dados confiáveis sobre nascimentos e mortes tem diversos impactos. O primeiro deles é a dificuldade de saber quantas crianças precisam ser vacinadas, qual o tamanho real da falta de creches e hospitais, em que condições essas crianças têm nascido, por que elas estão morrendo antes de completar um ano e onde os programas sociais são mais necessários. No caso da população, a falta de registro da morte pode levar a rombos na Previdência, uma vez que famílias continuam recebendo recursos que só eram devidos a quem morreu.

    Leia tudo sobre: ibgeregistro civil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG