Negro ainda vive em região de porto, diz IBGE http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/13/situacao_de_muitos_negros_no_pais_ainda_e_lamentavel_120_anos_depois_da_abolicao_1309102.htmlSituação de muitos negros no país ainda é lamentável, 120 anos depois da Abolição" / Negro ainda vive em região de porto, diz IBGE http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/13/situacao_de_muitos_negros_no_pais_ainda_e_lamentavel_120_anos_depois_da_abolicao_1309102.htmlSituação de muitos negros no país ainda é lamentável, 120 anos depois da Abolição" /

No Rio, estudantes negros têm vagas exclusivas em quatro das sete universidades públicas

RIO DE JANEIRO - Os estudantes afrodescentes do Rio de Janeiro contam com vagas exclusivas em quatro das sete universidades públicas do estado. Entre as mais concorridas está a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), que desde 2003 destina 20% das vagas aos negros. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/13/sinopse_de_imprensa__negro_ainda_vive_em_regiao_de_porto_diz_ibge_1308658.htmlNegro ainda vive em região de porto, diz IBGE http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/13/situacao_de_muitos_negros_no_pais_ainda_e_lamentavel_120_anos_depois_da_abolicao_1309102.htmlSituação de muitos negros no país ainda é lamentável, 120 anos depois da Abolição

Agência Brasil |

Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), um das mais procuradas no estado pela variedade de cursos, não adotou o sistema. De acordo com a reitoria, as unidades e instâncias colegiadas discutem a questão, mas ainda não há posicionamento oficial sobre o assunto.

O aluno de ciências sociais da UFRJ, Julio Vitor Costa, 23 anos, que é negro, liderou com outros colegas no início do ano, um movimento que propunha à reitoria atividades para promover a cultura negra e discutir diferenças étnico-raciais.

Com essas atividades, os estudantes queriam criar um espaço para discutir a adoção de cotas para alunos negros. "Em cada sala de sessenta alunos temos dois negros, em média", relatou. No entanto, a proposta não teve boa receptividade.

"A universidade não quer nem abrir o debate, quanto mais implementar". Julio Vitor disse que o grupo de estudantes negros chegou a se reunir com a reitoria, mas as propostas do coletivo não foram adiante.

A UFRJ, que tem 70% dos alunos oriundos de escolas particulares, informou que faz um debate interno sobre as cotas, mas de forma "lenta". Isso acontece pela divergência entre os professores. Por isso, a reitoria prefere não se pronunciar, alegando que pode "induzir opiniões".

O tratamento dispensado à questão pela UFRJ é considerado pelo aluno de ciências sociais, Julio Vitor Costa, como "racista". Para ele, que nunca foi discriminado claramente na UFRJ, a discriminação aparece quando a universidade se omite na questão.

"O racismo se dá de maneira ideológica dentro de sala de aula. Só o fato de não lermos nenhum autor negro já se coloca. Temos diversos intelectuais negros, africanos, brasileiros, americanos e eles não são sequer considerados", completou.

Leia mais sobre: negros

    Leia tudo sobre: negros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG