No Rio, 1 em cada 4 assassinatos envolve PM

De cada quatro assassinatos na cidade do Rio no ano passado, um foi registrado durante confrontos com a Polícia Militar. O índice de 24% de mortes concentrado nos casos de violência policial foi mapeado pelo Instituto de Segurança Pública do Rio e será debatido hoje durante seminário do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Agência Estado |

“É um nível altíssimo que vem se repetindo ao longo dos anos”, avalia a pesquisadora do Ipea Rute Imanishi Rodrigues, que na apresentação de hoje vai divulgar estudo de sua autoria que revela o “endereço” de todas as formas de criminalidade no Estado do Rio.

Rute diz acreditar que a violência policial repercute em outros crimes. “Avalio também que os índices são altos porque faltam órgãos de controle, como uma ouvidoria mais atuante, que poderia inibir os casos.” A metodologia de cálculo empregada para mapear a situação do Rio é a mesma utilizada pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec), da Universidade Cândido Mendes. Apesar do alto índice de 688 mortes em 2008, esse delito apresentou redução ante 2007, com 902 óbitos. A tendência de queda segue neste ano, com 75 vítimas em fevereiro e 109 no mesmo mês do ano passado.

Em São Paulo, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), no primeiro trimestre deste ano PMs foram responsáveis por 7,39% dos homicídios. Foram 104 mortes por homens da corporação. A situação também é considerada crítica ao ser comparada ao padrão tolerável internacional de mortos pela polícia, que é de 3%. O sociólogo Túlio Kahn, responsável pela Área de Planejamento da SSP paulista, faz a ressalva de que a taxa foi calculada para os países do hemisfério norte, o que a torna imprópria para ser usada no contexto latino-americano, uma vez que “a tendência é de que o confronto entre o criminoso e o policial seja mais acirrado”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG