O gasto total da campanha do prefeito eleito sub judice, João da Costa (PT), do Recife, foi de R$ 2,84 milhões. Sua assessoria financeira entregou a prestação de contas - num total de oito volumes - no final da tarde de hoje no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE).

Os funcionários terminaram de conferir os documentos no início da noite desta terça-feira. Somente amanhã o TRE-PE deverá divulgar detalhes da prestação de contas.

João da Costa foi acusado de abuso de poder político e econômico por uso da máquina para fins eleitorais. No dia 21 de outubro, o procurador regional eleitoral Fernando José Araújo Ferreira, que representa o Ministério Público Federal (MPF), divulgou parecer em que se posiciona contra a cassação e a inelegibilidade do prefeito eleito.

João da Costa foi cassado em primeira instância pelo juiz das Investigações Judiciais, Nilson Nery, no dia 23 de setembro, a partir de ação do Ministério Público Estadual (MPE), que também pediu a cassação do prefeito João Paulo, negada pelo juiz.

O parecer segue agora para a relatora do processo, desembargadora Margarida Cantarelli, que poderá proferir sua sentença - confirmando a cassação em primeira instância ou absolvendo o prefeito eleito - baseando-se de forma total, parcial ou recusando todos os argumentos do parecer do procurador. A sentença da relatora será julgada pelo plenário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE), em data ainda não definida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.