No lugar do quarto de empregada, ícone da classe média nos anos 80, uma área de serviço maior Por Marília Almeida São Paulo, 15 (AE) - Cada vez mais compacta, assim como a área útil dos apartamentos, a área de serviço tem em média 5 metros quadrados e tende a desaparecer e ganhar outras funções, de acordo com Jethero Miranda, coordenador do curso de design de interiores do Centro Universitário Belas Artes, em São Paulo. Ela já perdeu o quarto de empregada em apartamentos de classe média e, com o desaparecimento do tanque em detrimento de eletrodomésticos com duas funções, lavar e secar, a tendência é que passe a ser um depósito ou despensa em apartamentos, já que não será mais necessário realizar atividades no local, explica.

"Existem prédios que já oferecem lavanderias coletivas no térreo para solucionar o espaço. Já nas casas novas a tendência é que diminuam e se tornem parte da área interna, ficando cada vez mais parecidas com as encontradas no apartamento." Dessa forma, a necessidade de aproveitamento do espaço como um ambiente discreto ou com apelo estético, que começa a ser visto como extensão da cozinha ou hall, é cada vez maior. Como consequência, surgem produtos como lavadoras e secadoras com capacidades e alturas variáveis, além de revestimentos diferenciados.

Já é possível embutir aparelhos menores, que suportam 5 kg a 8 kg de peças, em bancadas, que podem ser estendidas ao tanque no formato de cuba. Como as pias da cozinha, essas cubas podem ser embutidas em armários, que aproveita o espaço embaixo do ‘tanque’.

"Geralmente elas são feitas de alumínio e possuem área para apoio de baldes", descreve a arquiteta Paula Magnani. Miranda estima que sejam 30% menores que os tanques tradicionais.

A ‘cuba tanque’ custa, em média, R$ 700, o dobro do tanque de louça. Se contabilizarmos o tampo, pode significar investimento de R$ 1 mil.

Os acessórios também se modernizaram. Além dos varais elétricos, levantados ou abaixados com apenas um toque de botão, também há os com o auxílio de manivelas para o movimento.

Mas o diferencial está principalmente nas dobradiças. Além de conter amortecedores, são mais resistentes, permitindo guardar objetos pesados, como o aspirador de pó, em gavetões. "Dessa forma, os objetos ficam mais organizados", afirma o arquiteto Marcelo Rosset.

Elas também podem compor portas de correr de madeira ou vidro que, abertas, deixam todas as prateleiras à vista, acomodando melhor os objetos e evitando a abertura de diversas portas.

O ambiente ainda pode abrigar cabideiros que evitam amassar roupas sociais e revestimentos tecnológicos que impedem o acúmulo de sujeira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.