Apesar do pequeno crescimento registrado no nível do rio Negro, próximos dias devem ter novos recordes de estiagem

selo

Barco encalhado em frente à Manaus, no rio Negro, nesta segunda-feira
AE
Barco encalhado em frente à Manaus, no rio Negro, nesta segunda-feira

Um dia depois de bater o recorde da estiagem de 1963, o rio Negro , na Amazonas, subiu dois centímetros, marcando 13,65 metros nesta segunda-feira. A tendência, contudo, é de que o rio e seus afluentes voltem a baixar nos próximos dias, de acordo com o geólogo do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Daniel de Oliveira. 

A explicação é de que o rio Solimões, que estava subindo, voltou a descer nos últimos dias: em três dias foi de 1,04 metro para 85 centímetros. "A tendência é de que em até 15 dias o efeito da nova descida do Solimões chegue ao Negro", disse. Solimões é o nome que se dá ao rio Amazonas ao entrar no Brasil, até o encontro de sua água barrenta com a preta do rio Negro, na orla de Manaus. 

Para Oliveira, o alcance da marca histórica no domingo (quando o Negro chegou a 13,64 metros, um centímetro a menos do que o recorde anterior de 1963) deve ser superado nos próximos dias - a exemplo do recorde da maior cheia no Solimões e afluentes. 

O Solimões, nos últimos 20 dias, subiu e desceu pelo menos quatro vezes, ultrapassando três vezes o recorde de 2005 - então a maior estiagem registrada no rio, com dois centímetros positivos. A menor aferição do Solimões este ano foi de 86 centímetros negativos, no dia 14 de outubro. 

Ajuda

Um helicóptero do Exército seguiu na manhã de hoje para ajudar na distribuição de kits de higiene, remédios e alimentos a seis comunidades isoladas em Tefé, Alvarães e Uarini, todos na região do Médio Solimões. 

De acordo com a assessoria da Defesa Civil do Estado, 130 mil toneladas de alimentos deverão ser entregues a 3 mil famílias atingidas pela estiagem na zona rural dessas cidades, onde só se chega de helicóptero. Na próxima semana, deve ser iniciada a distribuição de 20 mil filtros de água as cerca de 110 comunidades isoladas nos 38 municípios em estado de emergência.

Veja abaixo imagens de Manaus antes e depois da seca:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.