Nível de umidade do ar é crítico na maior parte do País

Cidade de São Paulo registrou a maior temperatura desde março nesta quinta-feira

AE |

selo

AE
Nuvem de poluição é vista a partir do bairro do Limão, na zona norte de São Paulo, na manhã desta quinta-feira
Os índices de umidade relativa do ar estão críticos na maior parte do Brasil, deixando diversas cidades do País em estado de alerta e de emergência, segundo informações da Climatempo. Em razão do predomínio de uma forte massa de ar seco e quente, os níveis de umidade podem baixar ainda mais em alguns municípios, além de São Paulo, Rio de Janeiro, Cuiabá e Campo Grande, que vêm registrando temperaturas recordes de calor ou de baixa umidade do ar.

No interior de São Paulo, os termômetros na cidade de Presidente Prudente marcaram nesta semana 34ºC, com umidade de 9% ao meio-dia. Em São José do Rio Preto, no mesmo horário, a temperatura foi de 32ºC e a umidade, de 12%, o que caracteriza em ambas as cidades estado de emergência.

A cidade do Rio de Janeiro também enfrentou muito calor nesta quarta-feira. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a máxima registrada foi de 36ºC. No Campo dos Afonsos, na zona oeste da cidade, a umidade caiu ontem a apenas 14%.

Em Cuiabá, é muito comum o calor nesta época, mas a temperatura está subindo além do normal. Segundo o Inmet, a capital mato-grossense teve ontem a maior temperatura deste ano, com máxima de 39,1ºC. De acordo com os dados históricos, a média de temperatura máxima em agosto na cidade é de 34ºC. Em Campo Grande, o estado já era de alerta ao meio-dia de hoje, com umidade relativa de apenas 15% e temperatura de 33ºC na região do aeroporto.

São Paulo
A cidade de São Paulo registrou nesta manhã a temperatura mais elevada desde março. A máxima registrada na estação oficial do Mirante de Santana, na zona norte, foi de 31,7ºC, segundo informações do Climatempo. Às 10 horas, alguns bairros da capital paulista já registravam 28ºC. Com o calor intenso e o ar parado, a umidade do ar fica baixa: os níveis voltaram a registrar valores críticos.

Nesta sexta-feira uma frente fria avança pelo mar. No entanto, o sistema é fraco e não vai ter força para mudar o tempo. No litoral, o vento sopra um pouco mais forte e ajuda a levar mais umidade para a costa. As demais regiões seguem com o predomínio do ar seco e quente e sem previsão de chuva.

    Leia tudo sobre: umidade do arar secoqueimadas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG