O ano de 2010 verá a morte do veterano líder cubano Fidel Castro e a queda do venezuelano Hugo Chávez depois de um golpe de Estado, além de uma ascensão do Brasil no cenário internacional, segundo as previsões da revista americana Newsweek.

As expectativas para o ano que começa daqui a pouco mais de uma semana, de acordo com a prestigiada publicação americana, são de que o Brasil se transforme em uma "nova China", atingindo o auge de sua pujança econômica.

"O Brasil será a nova China", continua a Newsweek, apontando que o gigante sul-americano possui inúmeras vantagens em relação ao país asiático - que apresenta "riscos no horizonte" - e em relação à Índia - "imersa em uma instável região com ameaças por todos os lados".

"Ao longo de 2010, aumentará a distância entre o Brasil e o resto dos países do Bric", grupo de potências emergentes integrado ainda por Rússia, Índia e China.

Para a Venezuela, a Newsweek desenha um panorama econômico sombrio e de insatisfação social para "o homem forte" em 2010, depois de quase 10 anos beneficiando-se de "uma economia global estável e da disparada da demanda de petróleo".

"Os militares intervêm para derrubar Chávez e restaurar a ordem, num momento em que o socialismo do século XXI se desintegra no conhecido cenário daquele do século XX, de escassez, pobreza e caos", escreve a publicação.

A derrubada de Chávez é a previsão número quatro das dez que a revista se arrisca a fazer. Sua lista é encabeçada pelo sucesso da nova estratégia do presidente americano, Barack Obama, no Afeganistão, a queda da economia chinesa e um golpe no Paquistão.

Para Fidel, "2010 parece que será seu último ano sobre a Terra", segundo a publicação.

A morte do líder da revolução cubana abrirá espaço, de acordo com a Newsweek, para transformações na ilha, "que não mudará da noite para o dia", mas "as inflexibilidades (falta de liberdade de imprensa, restrições migratórias, culto à personalidade, perseguição a homossexuais) associadas a seu nome serão reavaliadas".

Depois de sua morte, o governo de Obama enviaria uma delegação de alto nível para iniciar um diálogo com Havana.

"Em pouco tempo, e talvez até o fim do ano, a secretária de Estado Hillary Clinton anunciará um plano para normalizar as relações com Cuba para 2013", estima a revista.

du/ap/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.