O presidente da Nestlé no Brasil, Ivan Zurita, afirmou nesta terça-feira que a empresa negocia pelo menos duas aquisições no País. Nós estamos analisando vários projetos, mas eu posso dizer que pelo menos dois estão nos finalmente, disse o executivo, após participar do 1º Fórum RPCA - Responsabilidade Produtiva na Cadeia Alimentícia, promovido pela Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

"Leva-se tempo, mas eu posso lhe dizer que está bem perto", afirmou Zurita, acrescentando que o prazo para o fim das negociações depende principalmente dos resultados de algumas diligências que são realizadas e da forma encontrada para solucionar problemas fiscais dos possíveis alvos de compra pela Nestlé.

Zurita não revelou a área específica de atuação das empresas que podem ser adquiridas em breve e chegou a sinalizar que elas podem pertencer a segmentos distintos de atuação. No mês passado, ganhou força o rumor de que a Nestlé estaria perto de fechar a compra da unidade da Parmalat em Carazinho, no Rio Grande do Sul. Por meio dessa aquisição, a Nestlé fortaleceria a sua atividade em leite longa vida, segmento que está crescendo a passos largos no País e no qual a empresa começou a atuar recentemente.

Questionado se uma das aquisições seria a fábrica da Parmalat no Sul, Zurita respondeu: "Temos avaliado uma série de negócios, um deles quase fechado, mas não necessariamente a este que você se referiu", afirmou. "Tem muitas empresas mudando de mão. Tem a Nilza, que está no mercado. Tem a Vigor, que o Bertin comprou. A Batávia que a Perdigão comprou... Existem muitos movimentos. O mercado não para."

Outro segmento que está recebendo atenção especial da Nestlé e que pode ter investimentos adicionais da companhia é o de água mineral. Em dezembro do ano passado, a companhia comprou as fontes da Água Mineral Santa Bárbara e parte de suas instalações industriais. Além da Santa Bárbara, a Nestlé atua no Brasil com quatro marcas de água - Petrópolis, São Lourenço, Aquarel, S.Pellegrino, Acqua Panna e Perrier, sendo as três últimas importadas.

Independente das aquisições da companhia, Zurita afirmou estar satisfeito com os resultados da Nestlé no Brasil. "Fechamos bem o semestre e a companhia continua investindo forte no País. Fiquei muito satisfeito com o desempenho no semestre. Não posso revelar os números, mas posso dizer que teve uma evolução importante frente ao que está acontecendo no mercado em geral e nos mercados internacionais."

Durante sua palestra hoje, Zurita disse que uma das vantagens do Brasil é o fato de uma empresa saber até onde pode crescer, devido ao potencial do mercado nacional. "Se dependesse de mim, até 2015 daria para duplicar a empresa." Para este ano, segundo Zurita, a expectativa de crescimento da Nestlé seria o "dobro do PIB". "Esperamos um crescimento orgânico ao redor de 7%", revelou. A estimativa, de acordo com ele, não considera possíveis aquisições.

Quanto ao posicionamento do Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade) à fusão Sadia/Perdigão, Zurita reafirmou que espera tratamento igual ao apresentado no julgamento da compra da Garoto pela Nestlé. O Cade rejeitou a operação e a Nestlé questiona o posicionamento em segunda instância. "Não sou nenhuma autoridade para tomar partido, só espero que haja um tratamento igual", disse.

Leia mais sobre Nestlé

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.