Não há obra do PAC parada por falta de dinheiro, afirma Lula em critica ao TCU

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira que tem certeza de que nenhuma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) está paralisada no País por falta de dinheiro. A declaração de Lula foi feita em entrevista a emissoras de rádio em acampamento do canteiro das obras de transposição do Rio São Francisco, no município de Sertânia (PE), e trechos da fala do presidente foram divulgados, em Brasília, pela secretaria de imprensa da Presidência da República.

Redação com Agência Estado |

AE
Lula e Dilma

Lula veste um chapéu de vaqueiro, ao lado da ministra Dilma Rousseff

Sobre suposta paralisação de duas obras do PAC em Sergipe - uma em Santa Maria e uma em Coqueiral -, o presidente afirmou que, "se tem (paralisação), é alguma coisa ou da Justiça, ou de briga de empresários, ou do Tribunal de Contas, porque falta de dinheiro não é." Lula acrescentou que, especificamente sobre os casos de Santa Maria e Coqueiral, iria consultar a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, responsável pela gestão do PAC, que também estava no acampamento no momento da entrevista.

O presidente disse que, "muitas vezes", o Tribunal de Contas diz que há "indícios de sobrepreço" em determinada obra, e isso obriga o governo a "refazer todo o processo", e outras vezes a empresa que perde a licitação "entra na Justiça e paralisa a obra". Na avaliação do presidente, "é muito difícil", hoje, fazer uma obra no Brasil".

Lula citou um exemplo: "nós ficamos dois anos para fazer licitação para entregar 350 mil computadores às crianças nas escolas. Demorou dois anos para que o Tribunal de Contas permitisse a licitação. Agora, as pessoas não medem qual é o prejuízo para a Nação e para as crianças após dois anos esperando."

Maratona de visitas

Lula iniciou na quarta-feira uma maratona de visitas às obras de transposição do São Francisco. A visita continua nesta quinta-feira. Pela manhã, o presidente deu entrevista a rádios da região e assistiu a uma apresentação de técnicos do Ministério da Integração Nacional sobre o projeto de transposição do São Francisco.

À tarde, o presidente estará em canteiros de obras nos municípios pernambucanos de Floresta e Cabrobó, onde passará a segunda noite da viagem. O retorno a Brasília está previsto para sexta-feira.

AE
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (c) posa para fotos com operários no canteiro de obras da transposição do Rio São Francisco

Lula com operários que trabalham na transposição do Rio São Francisco

As obras de transposição das águas do Rio São Francisco consumiram até agora cerca de R$ 1 bilhão. O projeto total está orçado em R$ 6,9 bilhões. Lula pretende entregar ao final do seu mandato, em dezembro do próximo ano, 220 quilômetros de canais - cerca de 30% dos 722 quilômetros previstos nas obras.

Atualmente o projeto emprega 8.500 pessoas nos Estados da Bahia, de Pernambuco e da Paraíba. O consórcio de empreiteiras das obras recebe cerca de R$ 100 milhões por mês de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Leia também:

  • Polêmica sobre transposição é 'desnecessária', diz Lula
  • Para Lula, Dilma e Ciro têm vocação para 'carreira solo'
  • Dilma depõe sobre escândalo do mensalão dia 20
  • Disputa eleitoral marca roteiro de Lula no São Francisco
  • Entenda o projeto de transposição do Rio São Francisco
  • População de município desconhece trabalho de revitalização do rio

    Leia mais sobre PAC

    • Leia tudo sobre: pac

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG