Não é preciso mudar legislação ambiental, diz Marina

A senadora Marina Silva (PT-AC), que deixou na última semana o Ministério do Meio Ambiente, disse hoje ter saído com a sensação de ter feito tudo o que estava ao seu alcance e avaliou que a legislação ambiental do Brasil é boa e não precisa ser aperfeiçoada, nem mesmo no caso das concessões de licenças ambientais, criticadas pela morosidade. Não devem ser feitas mudanças na lei e tenho absoluta certeza de que, com a biografia que tem o ministro Carlos Minc, ele vai compreender assim que chegar ao cargo, afirmou, em entrevista à Rede Eldorado de Rádio.

Agência Estado |

A ex-ministra destacou como principal conquista da sua gestão a diminuição do desmatamento da Amazônia, de 27 mil km quadrados em 2004 para 11,2 mil km quadrados no ano passado. Marina Silva atribuiu sua saída à falta de sustentação para fazer as mudanças na política ambiental integrada. "Você vem percebendo ao longo de um processo que sua presença não está mais tendo a devida sustentação para fazer as ações que precisam ser feitas", afirmou.

"Diante da impossibilidade de continuar trabalhando a agenda de forma vigorosa, entendi que minha saída poderia criar um novo acordo político, para que o presidente Lula e o novo ministro (Carlos Minc foi convidado a ocupar o cargo) ganhassem sustentação na sociedade nos diferentes setores para implementar e dar continuidade às medidas", acrescentou. "Muitas vezes, a gente fica achando que tem que mover essa ou aquela pedra para que as coisas possam andar, mas fica muito difícil a gente pensar que pedra a ser movida pode ser você mesmo, e aí você sai e cria de fato uma movimentação."

Ao ser questionada se sentiu-se desautorizada quando a coordenação do Plano da Amazônia Sustentável (PAS) foi destinado ao ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, a senadora desconversou: "Não quero ficar satanizando o doutor Mangabeira".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG