Não aceitem a ideia imbecil que se ganhar fulano estraga, diz Lula

SÃO PAULO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira o fim de qualquer tipo de terrorismo na disputa eleitoral deste ano. Não acreditem e não aceitem aquela ideia imbecil que se falava neste Brasil: ah, se ganhar fulano vai estragar tudo, se ganhar beltrano vai estragar tudo, disse Lula durante evento com dirigentes das montadoras de veículos no país.

iG São Paulo |

"Fizeram muito terrorismo contra mim durante todas as vezes que eu disputei a eleição, ou seja, mentiram tanto que um dia o povo não acreditou mais. Não existe possibilidade de quem quer que seja estragar o que está construído nesse País", acrescentou o presidente.

AE

Dilma e Lula conversam durante inauguração de fábrica no interior de São Paulo. O governador de São Paulo, José Serra, também esteve presente no evento em Sorocaba

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que falou antes de Lula, foi lançada pelo PT pré-candidata à Presidência no mês passado. Ela deve enfrentar nas eleições o governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

"A eleição não pode mais causar qualquer cenário de terrorismo no Brasil: 'a bolsa caiu porque não sei o quê subiu'. Não existe essa possibilidade", defendeu. "Espero que quem vier faça muito mais, porque nós precisamos crescer, gerar emprego, gerar renda."

Mais cedo, ao lado de Dilma e Serra (PSDB), Lula participou da cerimônia de inauguração de uma fábrica de máquinas agrícolas em Sorocaba (SP). Prováveis adversários nas eleições deste ano, os dois compararam a atuação dos governos federal e paulista durante a crise financeira global. 

"Sem sombra de dúvida, 2008 e 2009 teve por parte do governo do presidente Lula a firme determinação no sentido de não deixar que a crise nos abatesse", destacou Dilma, pré-candidata do PT à sucessão presidencial.

"Essa determinação beneficiou o Brasil como um todo, mas beneficiou de uma forma especial São Paulo, porque São Paulo é hoje um dos maiores centros produtores de máquinas e equipamentos do Brasil", acrescentou.

Potencial candidato do PSDB, Serra elogiou as medidas do governo federal que ampliaram o crédito no País. Lembrou, no entanto, que seu governo fez o mesmo até vender a Nossa Caixa para o Banco do Brasil.

"Conseguimos manter um nível de investimentos em 2009 que foi o mais elevado da nossa história por parte do governo do Estado, que ajudou muito a manutenção do nível de emprego e de ocupação em todo o território paulista", afirmou Serra.

Divulgação
Lula cumprimenta metalurgicos em inauguração de fábrica em Sorocaba

Os dois também compararam programas de financiamento à agricultura familiar, que, segundo eles, aumentaram a demanda por equipamentos agrícolas.

Segundo as pesquisas de intenção de voto, o governador de São Paulo permanece à frente da disputa eleitoral, mas com uma diferença menor em relação à ministra da Casa Civil.

Levantamento do Datafolha divulgado neste final de semana mostrou Serra com 32% ante 28% de Dilma.

* Com informações da Reuters

Leia mais sobre: Eleições 2010

    Leia tudo sobre: eleições 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG