Namíbia realiza primeiro leilão de marfim em 10 anos na África Austral

O primeiro leilão de marfim em 10 anos na África Austral, que venderá ao todo 108 toneladas de presas de elefantes em vários países da região, começou nesta terça-feira na Namíbia.

AFP |

O ministro namíbio do Meio Ambiente, Leon Jooste, anunciou que três compradores japoneses e três chineses arremataram ao todo 7,2 toneladas de marfim por 1,18 milhão de dólares nesta primeira rodada do leilão, que teve entrada proibida ao público e à imprensa.

"Colocamos em leilão nove toneladas, mas a 1,8 tonelada restante será utilizada por joalheiros e escultores locais", indicou Jooste à imprensa.

Estas vendas continuarão em Botswana (onde se serão leiloadas 44 toneladas na sexta), Zimbábue (4 toneladas em 3 de novembro) e África do Sul (51 toneladas em 6 de novembro).

O leilão de marfim foi aprovado em julho passado pela Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Salvagens ameaçadas de Extinção (CITES).

O marfim leiloado provém dos depósitos governamentais.

São presas de elefantes mortos por causas naturais ou que morreram sob controle oficial para evitar a superpopulação.

Mas os defensores da natureza denunciaram esta venda por entender que "incentivará os caçadores furtivos a lavar seus estoques ilegais".

A Ásia, muito interessada no marfim para confeccionar seu artesanato, é o mercado mais importante das vendas ilegais do produto, enfatizou Michael Wamithi, à frente do programa para os elefantes do Fundo Internacional para a Proteção dos Animais (IFAW).

Mas tanto para a CITES como para TRAFFIC, um programa que vela pelo comércio as espécies selvagens, estes leilões foram bem organizados e adotaram medidas para garantir que os caçadores de marfim não sejam favorecidos.

Os lucros obtidos nesses leilões serão utilizados para a conservaçao dos elefantes, segundo a CITES.

O último leilão, realizado em 1999, permitiu arrecadar cinco milhões de dólares.

No entanto, a partir de 1997, os países da África Austral tiveram autorizada apenas as vendas pontuais, caso a situação dos elefantes na região assim o permitissem.

A população de elefantes na África Austral está crescendo e hoje em dia há mais de 312.000 exemplares, segundo a CITES.

bur-ale/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG