Na TV, Lula pede para manter atual modelo de governo

Em rede nacional de rádio e televisão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu hoje que a população tome "decisões corretas" para manter o "modelo de governo" atual. Lula é o padrinho político da pré-candidatura de sua ex-ministra Dilma Rousseff à Presidência da República nas eleições de outubro.

iG São Paulo |

Em rede nacional de rádio e televisão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu hoje que a população tome "decisões corretas" para manter o "modelo de governo" atual. Lula é o padrinho político da pré-candidatura de sua ex-ministra Dilma Rousseff à Presidência da República nas eleições de outubro. O presidente falou que esse "modelo" de gestão ainda está no início e citou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2) como exemplo de investimentos para o futuro. Lula já se referiu a Dilma, no passado, como "mãe do PAC".

"Olhando para o calendário, meu período de governo está chegando ao fim. Mas algo me diz que este modelo de governo está apenas começando. Algo me diz, fortemente, em meu coração, que este modelo vai prosperar. Sabe por quê? Porque este modelo não me pertence: pertence a vocês, pertence ao povo brasileiro. Que saberá defendê-lo e aprofundá-lo, com trabalho honesto e decisões corretas", afirmou o presidente.

O pronunciamento foi feito hoje para celebrar o Dia do Trabalho, no sábado, 1º de maio. Lula antecipou a veiculação em rede nacional porque sábado é um dia de baixa audiência na televisão e ele queria apresentar para a população, na sua última fala aos trabalhadores do Brasil antes de deixar o governo, as conquistas obtidas por sua administração, particularmente em relação ao número de empregos gerados em um ano que o mundo foi assolado pela maior crise econômica das últimas décadas.

"No dia 1º de Maio, graças a Deus, temos comemorado, ano após ano do meu governo, o aumento do emprego, da massa salarial, do salário mínimo, do crédito e do poder de compra do trabalhador", afirmou o presidente. "O salário mínimo, graças a um aumento real de 74% ao longo do governo, é o mais alto dos últimos 40 anos. A massa salarial como um todo cresceu 42% no mesmo período, em termos reais", disse. E ainda garantiu: "Já se prevê que o país vai gerar mais de dois milhões de empregos este ano, o que seria a melhor marca da nossa história".

Lula aproveitou a oportunidade para alfinetar a oposição. "Nesses últimos anos, o povo aprendeu a confiar em si mesmo. Aprendeu a não dar ouvidos aos derrotistas e à turma do contra; aos que diziam que o Brasil tinha de se contentar com um crescimento medíocre; aos que pregavam o conformismo diante da exclusão social e da injustiça", disse. "Nem a crise financeira internacional, a mais grave das últimas décadas, foi capaz de nos deter. Já retomamos com vigor o caminho do desenvolvimento econômico."

No feriado de 1º de Maio, o presidente Lula estará presente nas comemorações das centrais sindicais CUT e Força Sindical, em São Paulo. Ele deve comparecer, ao menos, em quatro eventos. O Palácio do Planalto não revela, mas Dilma deve acompanhar o presidente na maioria das celebrações.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG