incorpora gestão Alckmin - Brasil - iG" /

Na saída e de olho em SP, Serra incorpora gestão Alckmin

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), deixa o cargo na próxima sexta-feita de olho na Presidência da República. Mas com um olhar também sobre a disputa em São Paulo, considerado pelos tucanos um Estado vital para a corrida eleitoral. Por isso, usa o discurso de que seu governo é continuidade do de Geraldo Alckmin, de seu partido e candidato a ocupar de novo a vaga no Palácio dos Bandeirantes.

Marcelo Diego, iG São Paulo |


Nas inaugurações que fez na reta final de seu mandato e no balanço que fará nesta quarta, Serra incorporou a administração de Alckmin em seus discursos.

O PSDB convocou militantes para ouvir nesta quarta a tarde o balanço administrativo de Serra. O convite, porém, expressa que será feita uma prestação de contas de sete anos de administração tucana no Estado - os quatro de Alckmin (2003 -2006) e os três de Serra (2007-2010). A ênfase nos dois períodos deixa de abraçar o período 1995-2001, quando o PSDB também comandou o Estado: primeiro com Mario Covas, depois com o próprio Alckmin, a partir de 2001.

Na segunda-feira, na vistoria do trecho Vila Sônia-Paulista do Metrô, Serra frisou que o início da obra de expansão se deu na gestão de Alckmin, em 2004. Nesta terça, durante a inauguração do trecho Sul do Rodoanel, o governador voltou a dizer que estava concluindo a obra de seu antecessor.

"Quero cumprimentar o Geraldo Alckmin, em cujo governo foi elaborado o projeto e defendida essa obra", disse Serra. Depois acrescentou, entre outros elogios ao colega de partido: "Muito do que nós fizemos se deve ao fato de o Alckmin ter deixado a casa arrumada, senão a gente perderia tempo consertando".

Em 2006, Serra e Alckmin disputaram nos bastidores a indicação do partido para ser candidato a presidente. Alckmin foi o escolhido e perdeu a eleição em segundo turno para Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em 2008, já como governador, Serra costurou o apoio do PSDB à candidatura de Gilberto Kassab (DEM) para a reeleição à Prefeitura de São Paulo. Foi impedido, porém, pelo desejo de Alckmin de ser o candidato tucano, o que acabou acontecendo. Alckmin foi derrotado, Kassab ganhou e o PSDB rachou na cidade.

No ano seguinte, porém, Serra fez um gesto político de reaproximação e convidou Alckmin para ser o Secretário de Desenvolvimento do Estado. "Alckmin trouxe sua experiência de governador do Estado para a secretaria do Estado", disse.

"Uma das coisas que fizeram diferença em São Paulo foi a continuidade de valores, de princípios, que começaram com o governador Mario Covas, de rigor na aplicação de dinheiro público e de eficiência. E essa continuidade traz um ganho importante", disse Alckmin.

Alckmin é hoje o líder das intenções de voto do Estado, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira. Ganharia a eleição no primeiro turno. Seu principal oponente no momento é o senador petista Aloizio Mercadante.

Na conta dos tucanos, um forte palanque em São Paulo - maior colégio eleitoral do país - é fundamental. Nas contas do partido, será possível fazer uma diferença de votos no Estado a favor de Serra que supriria a boa performance de Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência, nas regiões Norte e Nordeste.

Leia também:

  • Vistoria de Serra termina ao som de "Está chegando a hora"
  • Serra lamenta não poder entregar todas as obras
  • Leia mais sobre José Serra

    • Leia tudo sobre: eleições 2010serra

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG