Na cidade de SP, aids mata mais entre 35 e 44 anos

Pela primeira vez, a aids superou os homicídios como principal causa de mortes entre os 35 e 44 anos na capital paulista. Os dados, referentes a 2007, são da Coordenação de Epidemiologia e Informação (CEInfo), da Secretaria Municipal da Saúde.

Agência Estado |

Em outras duas faixas etárias (25 a 34 e 45 e 54 anos), a doença aparece em terceiro e quarto lugares.

O relatório municipal aponta 3.970 mortes entre os 35 e 44 anos, 330 por aids, ou 8,3%, ante 317 homicídios. No total, morreram 63.722 pessoas na cidade no ano passado. Somando todas as idades, as doenças do coração são as que mais matam: 8.124, 12% do total. Em seguida estão as cerebrovasculares (5.227); pneumonias (4,547); bronquite, enfisema e asma (2.443)e diabetes (2.113).
O infectologista Esper Kallas, da Universidade de São Paulo (USP), considerou o resultado normal. Ele diz que a faixa entre 35 e 44 anos, por ser sexualmente ativa, contraiu a doença entre sete e dez anos atrás. “Como é o tempo que a aids demora para se manifestar, esses pacientes só descobriram mais tarde.”

Geração

O índice, no entanto, foi considerado surpreendente para o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Juvêncio Furtado. “Morrem de aids somente os diagnosticados tardiamente, que não fazem o tratamento correto ou que sofrem resistência ao medicamento.” Segundo ele, essa geração iniciou a vida sexual já tendo informações sobre como evitar a doença.

Hugo Hagström, coordenador do departamento social do Grupo de Incentivo à Vida, diverge. Para ele, as pessoas mais velhas são da geração que viveu a explosão da doença, no anos 80 e 90, mas só se deram conta de que eram portadores do vírus anos depois. “Elas só foram submetidas aos exames após recomendação médica, por estarem com a imunidade baixa. As informações são do Jornal da Tarde .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG