Musical sobre Obama agrada público com genialidade instrumental

Hope, um musical de três horas de duração baseado na campanha eleitoral do presidente americano, Barack Obama, agradou os 2 mil espectadores que assistiram à estreia com genialidade instrumental e vocal, mas com deficiências teatrais.

EFE |

A peça estreada ontem à noite na sala de concertos Jahrhunderthalle, nos arredores de Frankfurt, centra-se na campanha eleitoral de Obama em 2008 e na chegada à Casa Branca.

Contada musicalmente de forma impressionante e impecável ao som de gêneros como o soul, o gospel, o rock e o rap, "Hope" tem carências interpretativas e argumentais, com uma apresentação pueril e inúmeros estereótipos.

Trinta atores e dançarinos, a maior parte deles americanos, sob a direção de Roberto Emmanuele, interpretaram números sobre a ascensão de Obama ao poder e o início da carreira política como assistente social em uma comunidade afro-americana de Chicago.

O musical tem como pano de fundo a difícil situação econômica e social dos EUA em 2008, com a pior crise financeira e econômica desde a Grande Depressão e as consequências da invasão do Iraque.

Nesse momento chega Obama com uma mensagem de mudança e esperança, que finalmente consegue envolver inclusive os tradicionais eleitores republicanos.

O musical começa no apartamento de um típico casal afro-americano de Chicago, os Johnson, com dois filhos no Iraque e uma filha na Universidade, que serve de ponto de encontro com o resto dos moradores da comunidade onde expressam seus problemas e simpatias políticas.

Um desempregado porto-riquenho, uma viúva conservadora de origem alemã e duas afro-americanas entusiasmadas com Obama se reúnem na casa dos Johnson.

Nesses encontros, o reverendo Wright, interpretado por Boysie White e responsável pelos melhores gospels e interpretações musicais de "Hope", é guia espiritual da comunidade e posteriormente de Obama.

Os atores que interpretam Barack e Michelle Obama são Jimmie Wilson e Della Miles.

Wilson, que atuou com o artista britânico Seal, com Lionel Richie e em "Sisterella" (espetáculo produzido por Michael Jackson), entra em cena de forma pouco espetacular e convincente e nos aproxima de Obama em um gospel intitulado "Yes we can".

A atuação do musical "Hope", que é bilíngüe em inglês e alemão e narrada pelo alemão Patrick Gräser, também fala sobre os políticos Hillary Clinton, John McCain e Sarah Palin.

Entre os músicos, se destacam o saxofonista cubano Leandro Saint-Hill e o percussionista espanhol Carlos Serrano del Río.

O público interagiu com o musical usando em alguns momentos as cadeiras da plateia como instrumentos de percussão.

A vida e carreira política de Obama também inspiraram outro musical em um pequeno teatro de Londres em março do ano passado intitulado "Obama on my mind".

Leia mais sobre Barack Obama

    Leia tudo sobre: barack obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG