LONDRES ¿ Um provocante autorretrato esculpido pelo artista britânico Marc Quinn com mais de cinco litros de seu próprio sangue e posteriormente congelado está exposto a partir desta quinta-feira na coleção permanente da National Portrait Gallery de Londres.

AFP

Ao fundo, o artista Marc Quinn e sua obra,
adquirida por meio milhão de dólares

A obra, de 2006 e que tem o título "Self", foi adquirida por 300 mil libras (495 mil dólares) pelo prestigioso museu de retratos de personagens famosos, que a qualificou como "uma das obras mais importantes e influentes de Quinn".

"Self" é a quarta de uma série de "cabeças de sangue" feitas por Quinn com sangue congelado e que se tornou uma das imagens célebres do movimento Brit Art, liderado por Damien Hirst. Entre cinco e seis litros de sangue foram necessários para sua elaboração, segundo o museu.

Desde que iniciou o projeto, em 1991, o agora quarentão Quinn fabricou um novo molde a cada cinco anos para "documentar a própria transformação e envelhecimento".

"Esta escultura surgiu do desejo de levar a arte do retrato ao extremo, uma representação que não tem apenas a forma do modelo, mas que é feita da carne do modelo", declara Marc Quinn em um comunicado. "Só existe em algumas condições, neste caso congelada, equivalente para mim de que uma pessoa está viva", completa o artista.

Para poder expor e conservar a obra nas melhores condições possíveis, os especialistas do museu estudaram cuidadosamente os problemas técnicos das outras peças das série, todas elas no exterior.

Considerada pela diretora da National Portrait Gallery, Sandy Nairne, um "extraordinária aquisição", a obra integrará uma coleção de quase 10 mil quadros, esculturas, caricaturas e desenhos que retratam personagens famosos, em sua maioria britânicos.

Leia mais sobre: arte contemporânea

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.