Mulheres seguras, homens assustados

Mulheres seguras, homens assustados Por Humberto Maia Jr. São Paulo, 18 (AE) - O macho brasileiro, sempre tão confiante e viril, está em crise.

Agência Estado |

Dados da pesquisa Mosaico Brasil, divulgados em novembro, mostram um homem cada vez mais preocupado em agradar a mulher e com medo do fracasso. Dos 4.206 entrevistados, consultados em dez capitais, 60,9% disseram se preocupar com o desempenho sexual e 63,5% admitiram que uma vida sexual saudável depende da capacidade de não falhar. E mais: 65,3% têm medo de decepcionar a parceira na cama e - o maior terror dos homens - 48,7% assumiram que nem sempre conseguem manter a ereção.

O que, afinal, aconteceu com eles? Para a psicoterapeuta e sexóloga da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Mara Pusch, estamos vivendo uma fase de adaptação: depois de conquistar espaço no mercado de trabalho, as mulheres agora estão com salários similares aos dos homens, disputam em iguais condições as vagas e se equipararam também na postura afetiva e sexual. "Nunca homem e mulher foram tão iguais", diz ela.

Diante dessa nova postura feminina, rapazes maduros, na faixa dos 30 anos, se intimidaram. "A mulher tomou a iniciativa e assustou o homem", completa. Acuados, muitos gostariam de voltar à confortável e conhecida situação em que faziam o que queriam com as mulheres, eram brutos, egoístas, pensavam só neles, impunham suas idéias e suas vontades. O empresário Felipe, de 39 anos, foi casado e garante ter "conhecido" várias mulheres. Mesmo experiente, confessa: quando se depara com uma mulher decidida, que sabe o que quer, treme na base. "O homem sincero admite que fica intimidado."

O sentimento de intimidação diante das fêmeas autônomas acaba levando a muitos problemas sexuais. "Depois da falhar, a confiança cai ainda mais, piorando o quadro", afirma a sexóloga da Unifesp.

O psicoterapeuta Oswaldo Rodrigues Junior, do Instituto Paulista de Sexualidade, diz que a mudança de comportamento de ambos os sexos deu características masculinas à mulher e femininas aos homens. Eles foram estimulados a demonstrar as emoções, o que os deixou mais sensíveis. Isso gerou cobranças nas mulheres e insegurança entre os homens. "Antes era chegar lá, fazer do jeito que quisesse e dizer a ela: ‘se não gostou, vai embora’", diz o psicoterapeuta. "Agora, ao ser cobrado, ele pode ficar ansioso e, se não souber administrar, vai ter mau desempenho."

Segundo o psicanalista Luiz Cuschnir, uma mulher bem-sucedida não é fator de pressão - desde que ela não adote uma postura de saber mais do que o cara na cama. "Se a mulher demonstra conhecer mais da intimidade física que ele, ele perde a função de professor, que seria dele." Felipe confirma a tese. Ele diz que as mulheres exigem "super poderes" que o homem não tem. "Temos de ser criativos, fazer isso e aquilo. Sentimos que temos obrigações na cama, que é fazê-la atingir vários orgasmos."

A produtora de marketing Regina, de 29 anos, disse já ter reclamado para um parceiro que não teve um desempenho sexual satisfatório. "Demonstrei que não havia ficado totalmente satisfeita. Os toques funcionaram."

Tanta cobrança e atitude intimidam os homens? "Noto que os homens têm medo dessa nova mulher", diz Regina. "Muitos homens já se acostumaram com essa idéia de que mulher não é mais um sexo frágil, outros ainda precisam de mais tempo", afirma a universitária Marcela, de 21 anos.

Cuschnir lembra que ser comparado a outros homens também deixa os machos acuados. E elas comparam e confessam. "Muitas mulheres fazem isso!", garante Marcela. "Por que não falar sobre homens, sexo e desempenhos? Já fiz até listinha com nome, lugar, nota..."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG