Mulher suspeita de mandar matar ex-marido executivo é presa em São Paulo

SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo prendeu na quinta-feira a ex-mulher do executivo morto a tiros por um motociclista no ano passado. Segundo informações da polícia, ela é a principal suspeita de ser a mandante do crime. Gilzelda, de 44 anos, foi encaminhada para 89º DP do Morumbi, onde está presa temporariamente na carceragem feminina.

Redação |

O empresário Humberto de Campos Magalhães, de 43 anos, morreu no dia 4 de dezembro após ser baleado na Vila Leopoldina, na Zona Oeste. Magalhães era diretor-executivo da divisão de alimentos do frigorífico Friboi.

De acordo com o delegado, Marcos Carneiro, a ex-mulher passou a ser a principal suspeita após a quebra do sigilo telefônico do executivo pedida pelo DHPP e autorizada pela Justiça. "Humberto foi atraído para o local do crime. Uma pessoa utilizou o celular do filho adolescente para atraí-lo. Acreditamos que tenha sido a ex-mulher", afirmou.

O caso

Segundo contaram algumas testemunhas à polícia, dois homens em uma moto teriam abordado o executivo por volta das 21h30 na região onde ele morava. Moradores do local afirmaram à polícia que escutaram um estrondo e, ao saírem à rua, viram a vítima já baleada na altura do coração.

A vítima chegou a ser levada para o Hospital Universitário, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. A polícia suspeitava que o caso fosse uma execução, pois a carteira do empresário foi encontrada e uma pasta que estava no banco traseiro do carro, suspeita de conter dinheiro, não foi levada.

O executivo assumiu a divisão de alimentos do Friboi no País em maio de 2007, quando Wesley Batista, membro da família controladora, foi transferido para o comando das operações nos Estados Unidos.

Leia mais sobre: assassinatos

    Leia tudo sobre: assassinatos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG