Múcio pede a Lula que participe de conversas com base

Preocupado com o reflexo que a disputa pela Comissão de Infraestrutura do Senado pode provocar na base aliada do governo, o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, pediu ajuda ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sob o argumento de que a queda-de-braço entre o PT e o PTB deixará cicatrizes, Múcio solicitou a Lula, na semana passada, que entre em campo para soldar a base governista, dividida em infindáveis brigas por cargos.

Agência Estado |

“Acho que o presidente, com a popularidade que tem, precisa se aproximar mais do Congresso”, afirmou o ministro, que no ano passado chegou a pôr o próprio cargo à disposição de Lula, escancarando a contrariedade com o descumprimento de um acordo para a partilha de espaços na Petrobras.

Agora, diante do relato das novas dificuldades enfrentadas por ele, o presidente concordou em montar um calendário de reuniões com as bancadas de partidos aliados na Câmara e no Senado, a partir deste mês. A coalizão governista tem 14 siglas, mas Lula começará a conversar primeiro com as menores, como o PDT e o PV. O modelo será diferente das reuniões do Conselho Político, formado por presidentes e líderes de legendas simpáticas ao governo. “A ideia, agora, é criar uma agenda por semana, com todas as bancadas, por partido. Quem conversa com o presidente sempre fica satisfeito”, diz Múcio, que nega estar preparando encontros para organizar barganha política. “Precisamos apenas curar as feridas, porque, numa disputa, as derrotas sempre deixam cicatrizes.”

O desfecho do impasse que preocupa o Planalto ocorrerá hoje, quando será decidido quem comandará a Comissão de Infraestrutura do Senado. Se não houver acordo, a decisão será no voto. O PT não abre mão do cargo e quer emplacar no posto a senadora Ideli Salvatti (SC). O problema é que, para se eleger presidente do Senado contra o PT, no mês passado, José Sarney (PMDB-AP) prometeu uma comissão ao colega Fernando Collor (PTB-AL), em troca do seu voto.

Collor escolheu primeiro a de Relações Exteriores, mas teve de ceder a vaga ao PSDB. Na tarde de ontem, assegurava que desta vez não desistiria da cadeira também cobiçada por Ideli. A situação tornou-se constrangedora para Múcio porque, apesar de seu desejo de mudar para o PMDB, ele ainda é filiado ao PTB, partido que vive às turras com os petistas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG