Depois de registrar 9.209 casos de dengue no mês de janeiro, a Secretaria Estadual da Saúde do Mato Grosso informou nesta quarta-feira que o Estado está em estado de alerta para as ocorrências da doença em seus 141 municípios.

De acordo com a pasta, o número representa um aumento de 728% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 1.399 casos. Dos 9.209 contabilizados neste ano, 264 foram notificados como casos graves. Cinco pessoas morreram em decorrência da doença em janeiro e seis mortes estão sob investigação.

As cinco mortes confirmadas são de moradores das cidades de Várzea Grande, Rondonópolis (duas), Sinop e Sorriso. No ano passado, quando o Estado enfrentou uma epidemia da doença, foram registrados ao todo 60 mil casos de dengue, com 1.405 casos graves e 52 mortes. Outros cinco óbitos ainda estão sob investigação.

Ainda segundo a secretaria, num sobrevoo de cerca de uma hora sobre alguns bairros da capital Cuiabá e de um município vizinho foi observada a falta de conscientização da população na prevenção da doença. A Justiça de Mato Grosso autorizou a vistoria nas casas abandonadas e convocou a Polícia Militar (PM) para cumprir a ordem judicial.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Augustinho Moro, durante o sobrevoo para identificar as áreas de risco "foram detectadas muitas caixas d'águas descobertas, tanto elevadas quanto no solo, lixos no fundo dos quintais e terrenos baldios com sacos plásticos, garrafas pets que, com certeza, estão proliferando os criadouros de mosquito".

O supervisor Geral do Programa de Combate a Dengue de Várzea Grande, Ivan Nilson Rondon, afirmou que com o sobrevoo foi possível "ver o município de forma geral e confirmar que o problema se concentra na cidade como um todo". "Por isso é muito importante que se faça o combate e a conscientização da população o ano todo, e não apenas no período das chuvas", disse.

Ações conjuntas

De acordo com o secretário de saúde, o governo de Mato Grosso irá fortalecer o combate a dengue nos municípios com mais 300 bombas costais e nove caminhonetes para a Vigilância Sanitária no Estado. O secretário Augustinho disse ainda que vão continuar alinhados nas ações conjuntas para o trabalho de conscientização dos moradores e envolver as secretarias de Estado e municipais de Saúde, Infraestrutura, Meio Ambiente e Educação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.