Mesmo com um forte esquema da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, aproximadamente 250 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) conseguiram realizar mais uma ação do Abril Vermelho - jornada nacional do movimento pela reforma agrária - no Estado. Os manifestantes queriam ocupar uma agência da Caixa Econômica Federal e outra do Banco do Brasil, mas encontraram os estabelecimentos cercado pela PM.

O esquema policial começou logo após as 4h da manhã de hoje, quando cinco ônibus lotados de sem-terra, foram barrados a 70 quilômetros do perímetro urbano de Ponta Porã, extremo sul do Estado, na divisa do Paraguai, onde as ocupações aconteceriam com pelo pelos 800 sem-terra, segundo estimativa do MST. Entretanto, desse contingente previsto, 250 conseguiram furar o bloqueio e chegaram à cidade, deixando os demais integrantes sob vigilância e impedidos de seguir viagem.

Para Jocemar Pereira, um dos líderes da manifestação "o ato foi pacífico e, com ordem". "Entregamos as reivindicações aos bancos. Entre elas queremos anistia da dívida bancária dos assentados pelo governo federal".

Ontem, no início da noite, os sem-terra desocuparam a sede do Incra em Dourados, ocupada pela manhã, e continuam dentro da Fazenda Primavera em Batayporã, na divisa com São Paulo, desde o início do mês, quando foi invadida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.