criminalização do movimento - Brasil - iG" /

MST faz ato em PE contra criminalização do movimento

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) liderou hoje um protesto em frente à sede do Ministério Público Federal (MPF) no Recife contra o recrudescimento do processo de criminalização dos movimentos sociais. Apoiados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), instituições de direitos humanos e parlamentares, o MST protocolou uma carta de preocupação e repúdio ao MPF.

Agência Estado |

O exemplo do MPF do Rio Grande do Sul serviu de bandeira. "Querem cassar o movimento (MST) sob o argumento de se tratar de uma organização marxista, que insufla a baderna e a agitação social", indignou-se o deputado Fernando Ferro (PT-PE). "Esta é uma linguagem da década de 70, da época da ditadura militar." Para o MST, a ofensiva do Estado contra os movimentos sociais tem se estendido por todo o território nacional, com ataques às lutas populares, aos povos indígenas, às organizações sindicais e ao direito de greve.

O ato no MPF e um outro na sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Petrolina, no Sertão do Rio São Francisco, marcaram a desocupação das sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na capital pernambucana e em Petrolina, onde trabalhadores rurais sem-terra acampam desde ontem como parte da jornada nacional de luta pela reforma agrária em torno do Dia Nacional do Trabalhador Rural, comemorado hoje.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG