O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) promete continuar nesta semana sua movimentação em todo o Brasil, com protestos e ocupações de terras. Na semana passada, ocorreram invasões de terras em cinco Estados, que segundo o MST, serve para denunciar a ineficiência do programa de reforma agrária e cobrar investimentos públicos em assentamentos do governo federal, desde o começo do mês.

O MST, com as novas invasões, anuncia que deseja que o governo providencie o assentamento das 150 mil famílias acampadas, a criação de uma linha de crédito efetiva para produção de assentados e o atendimento da demanda de construção de mais de 100 mil unidades de habitações rurais.

No Pará, trabalhadores mutilados e viúvas dos agricultores mortos no Massacre de Eldorado dos Carajás continuam acampados em frente ao Palácio dos Despachos, sede do governo do Estado, desde segunda-feira da semana passada. Os manifestantes cobram da governadora Ana Júlia Carepa (PT) o cumprimento de suas promessas de 2007.

Os protestos são realizados em memória aos 19 integrantes do MST que morreram no chamado Massacre de Eldorado de Carajás, em operação da Polícia Militar, no município de Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996, no dia 17 de abril. Depois de 12 anos de um massacre de repercussão internacional, segundo o MST, o País ainda não resolveu os problemas "dos pobres do campo, que continuam sendo alvo da violência dos fazendeiros e da impunidade da justiça".

Leia mais sobre: MST

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.