A Procuradoria Regional da República da 2ª Região (ES e RJ) emitiu parecer hoje à noite recomendando a volta à prisão do médico Joaquim Ribeiro Filho e pedindo a suspensão do habeas-corpus obtido por ele na terça-feira, em caráter liminar. Joaquim foi preso pela Polícia Federal sob a acusação de fraudar a verdadeira condição de fígados captados para transplantes para implantar em pacientes que lhe pagariam pelo órgão no Rio de Janeiro.

O parecer ainda será apreciado pela 2ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal (TRF), que decidirá se determina ou não a volta à prisão do médico.

O advogado de Ribeiro Filho, Paulo Freitas, disse estar confiante na confirmação da liminar, que revogou a prisão do cirurgião: "Estou confiante que será mantida a liminar, que está muito bem fundamentada", afirmou. O médico foi preso dia 30, mas acabou solto terça-feira, ao ter habeas-corpus concedido pelo TRF. A Operação Fura-Fila é resultado da denúncia do Ministério Público Federal (MPF) feita à Justiça contra cinco médicos do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), acusados de desvio de órgãos entre 2003 e 2007, preterindo a lista nacional de transplantes de fígado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.