Para órgão, houve desvio e má aplicação de R$ 2 milhões de dois convênios com o Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação

selo

O Ministério Público Federal (MPF) pediu no último dia 2 a condenação do bispo da Igreja Renascer José Antônio Bruno - que também é deputado estadual em São Paulo pelo DEM - e de sua fundação por improbidade administrativa. Para o órgão, houve desvio e má aplicação de R$ 2 milhões de dois convênios com o Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Segundo o MPF, entre 2003 e 2004, a Fundação Renascer recebeu R$ 1.923.173,95 para implementar os dois convênios de alfabetização de jovens e adultos do programa Brasil Alfabetizado, mas segundo apurado na prestação de contas feitas ao FNDE pelos réus, nenhuma das despesas foi comprovada com notas fiscais. Na ação, os réus afirmaram que o convênio foi integralmente cumprido.

O MPF concluiu também que a fundação usou parte do dinheiro para promover o ensino religioso em favor da Igreja Renascer em Cristo, em completo desacordo com os planos de trabalho apresentados pela fundação ao Ministério da Educação (MEC), em que não havia nenhuma referência a conteúdos religiosos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.