SÃO PAULO - O Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal denunciou à Justiça o ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), Timothy Mulholland, e o ex-diretor da Editora UnB, Alexandre Lima, por formação de quadrilha e peculato (uso indevido de verba pública). Eles são acusados de montar uma organização criminosa para desviar recursos públicos arrecadados pela UnB e repassados às suas fundações de apoio. O caso será julgado pela 12ª Vara da Justiça Federal no Distrito Federal.

Também foram denunciados dois ex-funcionários da Editora UnB, Elenilde Duarte e Cláudio Machado. A denúncia foi entregue à Justiça na última quinta-feira, 26 de junho. As penas para os crimes variam de um a 12 anos de prisão, além de multa.

A denúncia refere-se a desvios ocorridos nos convênios, celebrados entre a Fundação Universidade de Brasília e a Funasa (Fundação Nacional de Saúde), para prestação de serviços de saúde às comunidades indígenas Yanomami, em Roraima, e Xavanti, em Mato Grosso. A UnB, por sua vez, subcontratou, sem licitação, a Fubra e a Funsaúde para executar as atividades. No total, foram repassados à UnB e às duas fundações cerca de 67 milhões de reais.

Segundo as investigações, o dinheiro foi usado para satisfazer os interesses pessoais dos denunciados, como pagamento de festas, viagens, jantares, móveis e eletroeletrônicos para uso particular dos envolvidos, entre outros.

Ação organizada

Segundo o MPF, a atuação da organização criminosa foi estrategicamente planejada. Lima foi designado por Timothy para assumir inteiramente a gestão dos recursos repassados pela Funasa, embora não mantivesse qualquer vínculo com as fundações de apoio.

À frente da gestão financeira dos convênios, Lima indicava pessoas de sua confiança dentro da editora para atestar a execução de serviços supostamente realizados nos projetos Xavanti e Yanomami.

Nessa função agiam Elenilde e Machado, ex-coordenadores de projetos da editora. Em troca, eles indicavam parentes e amigos para serem incluídos na folha de pagamento das fundações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.