MPF denuncia 29 pessoas em Minas Gerais por envolvimento em adulteração de leite

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal (MPF) em Passos, no sudoeste de Minas Gerais, denunciou, nesta terça-feira, 29 pessoas ligadas à Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) por práticas criminosas no funcionamento de uma esquema de adulteração do leite. Segundo o MPF, o grupo acrescentava soro e substâncias químicas no leite para reduzir a acidez do produto e garantia maiores lucros na venda.

Agência Brasil |

Os denunciados são acusados de crimes contra a saúde pública e contra as relações de consumo, formação de quadrilha e corrupção ativa e passiva. As penas previstas para essas condutas variam de oito a 24 anos de prisão. Para que os processos sejam iniciados, é necessário o recebimento da denúncia pela Justiça Federal.

O MPF também pede a responsabilização, além dos empregados da Casmil, do engenheiro químico responsável pela fórmula e de funcionários do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que teriam se omitido na fiscalização e recebido propina para ignorar a fraude.

Conforme o MPF, a adulteração ocorria há aproximadamente dois anos. O esquema foi desvendada em outubro do ano passado pela Operação Ouro Branco, da Polícia Federal. A denúncia dos procuradores de Passos encerra inquérito policial que tramitou na 1ª Vara da Justiça Federal de Passos.

Em maio, foi recebida pela Justiça denúncia do MPF em Uberaba (MG) contra 18 pessoas, também acusadas de adulteração de leite - naquele caso o produto era comercializado pela Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Copervale).

    Leia tudo sobre: mpf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG