O Ministério Público do Distrito Federal pediu hoje ao Tribunal de Justiça que decrete a suspeição de 16 deputados distritais e suplentes por envolvimento no escândalo de corrupção local, conhecido como mensalão do DEM. Em janeiro, o juiz Vinícius Santos, do TJ-DF, já havia decretado a suspeição de oito deputados e dois suplentes, que ficaram impedidos de votar no processo de impeachment do governador afastado José Roberto Arruda (ex-DEM) na Câmara Legislativa.

O pedido foi feito pelo Núcleo de Combate às Organizações Criminosas (NCOC) do Ministério Público do DF, que levou em conta papéis encontrados em recentes mandados de busca e apreensão na casa do ex-presidente da Câmara Legislativa Leonardo Prudente (ex-DEM). Nesses papéis, aparecem nomes de deputados e suplentes com valores correspondentes. Prudente é o deputado que ficou conhecido por protagonizar vídeo no qual guarda dinheiro de suposta propina nas meias e que renunciou ao mandato.

O Núcleo de Organizações Criminosas também levou em conta um novo depoimento de Durval Barbosa, principal testemunha do "mensalão do DEM", realizado no último dia 10. Barbosa é ex-secretário de Relações Institucionais do governo Arruda e gravou dezenas de vídeos nos quais deputados, assessores, secretários de Estado e até o governador afastado recebem maços de dinheiro de suposta propina.

No pedido, os promotores afirmam que a aparição dos nomes desses deputados e suplentes nas listas apreendidas e no depoimento de Durval Barbosa, não provam a culpabilidade deles no esquema, mas comprova que há indícios da participação deles. O pedido do Ministério Público não tem data para ser julgado.

Explicações

Em nota, Gustavo Adolfo Moreira Marques, ex-secretário geral da Mesa Diretora da Câmara Legislativa, afirma que um dos papéis em posse da Polícia Federal, recolhido na casa de Leonardo Prudente, é de autoria dele e trata sobre a composição de cargos de confiança na Casa, e não sobre distribuição de propina.

Os deputados Milton Barbosa, Eurides Brito e Raimundo Ribeiro divulgaram nota à imprensa informando o nome dos servidores que teriam sido contratados para as vagas. Os três negam envolvimento no "mensalão do DEM". "Tais notícias infundadas só reforçam o meu entendimento de que realmente a nossa atuação como parlamentar tem incomodado muitas pessoas poderosas, mas estes podem ter certeza de que não me intimidarei com nenhuma ameaça", afirma Ribeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.