O juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal, ouvirá os delegados federais Protógenes Queiroz e Victor Hugo Rodrigues Alves Ferreira e o escrivão da Polícia Federal Amadeu Ranieri Bellomusto, na quinta-feira, de acordo com informações da assessoria da Justiça e do Ministério Público (MP). Os três são testemunhas de acusação da Operação Satiagraha e foram convocados pelo MP.

A nova audiência poderá trazer à tona mais informações sobre o episódio que culminou com a prisão do sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, do lobista Hugo Chicaroni e do assessor Humberto Braz por corrupção ativa.

Ontem, o advogado Nélio Machado, que defende o sócio-fundador do Grupo Opportunity, informou que o juiz De Sanctis havia designado para quinta-feira uma audiência (com as testemunhas de acusação) e deu a opção a Dantas para ser interrogado se ele o quiser. Ontem, Dantas exerceu o direito de permanecer em silêncio no interrogatório conduzido pelo mesmo juiz. Machado explicou, após o fim da audiência, que orientou Dantas a não falar "em razão de várias imperfeições que o processo contém". A defesa de Dantas defende a apresentação da transcrição integral das fitas do encontro entre Chicaroni, Braz e o delegado Victor Hugo Rodrigues Alves Ferreira, onde ocorreu a suposta tentativa de suborno. Segundo Machado, as gravações estão inaudíveis.

Com relação à opção de Dantas ser novamente interrogado na próxima semana, o advogado afirmou que Dantas só irá falar ao juiz De Sanctis se a "questão material dos autos" for resolvida. "Se o processo estiver em ordem, nos limites que são preconizados quanto à validade de qualquer tipo de procedimento penal, eu aí posso reconsiderar essa opção. Mas, por hora, a persistir toda a imperfeição formal e material da ação penal, eu não tenho como aceitar que ele possa se manifestar", declarou, após a saída de Dantas, ontem, da 6ª Vara.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.