Movimentos sociais preparam protestos contra Belo Monte no Pará

Visita do presidente Lula a Altamira e Marabá promete ser marcada por protestos contra a hidrelétrica

Agência Brasil |

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, viaja nesta terça-feira (22) a Altamira e Marabá, no sudeste do Pará. Lula participa do lançamento de uma nova siderúrgica e de visitas a obras como o asfaltamento da Transamazônica (BR- 230), a expansão do programa Luz para Todos e a usina de Belo Monte no Rio Xingu.

A visita do presidente deverá ser acompanhada por protestos, em especial contra a hidrelétrica. “A vinda do presidente para nós significa uma afronta”, disse Antônia Melo, do Movimento Xingu Vivo para Sempre. Segundo ela, o governo decidiu construir a usina sem ouvir os movimentos sociais e desrespeitando a legislação ambiental.

“Nós vamos dizer para Lula que ninguém quer ele aqui”, disse Ronaldo Pantoja, da Comissão Pastoral da Terra (CPT). Segundo ele, 20 mil pessoas participarão das manifestações em Altamira. Fábio Barros, da Via Campesina, que serão feitas caminhadas pela cidade, um boneco representando o presidente será queimado e que os movimentos tentarão ocupar o aeroporto de Altamira, “para que Lula não pouse aqui”.

De acordo com as entidades que são contra a construção da Usina de Belo Monte, os lagos da represa da hidrelétrica inundarão 30 terras indígenas legais e afetarão um terço do município de Altamira. A usina será a segunda maior do país e a terceira do mundo e terá capacidade instalada de geração de mais de 11 mil megawatts (MW).

Nesta segunda-feira, os movimentos sociais fecharam a Transamazônica, na altura do km 3, no sentido Altamira-Marabá, conforme informação da CPT. Lula deve sair de Brasília às 8h de terça-feira e chegar à Altamira às 10h30. A chegada à Marabá está prevista para as 14h. O presidente retorna à Brasília no mesmo dia.

    Leia tudo sobre: Belo MonteAltamirahidrelétrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG