SÃO PAULO - O primeiro dia da inspeção veicular obrigatória em São Paulo foi marcado por grandes atrasos em determinados momentos do dia. A Controlar - consórcio responsável pelas análises na capital - afirmou anteriormente que as pessoas ficariam no máximo 30 minutos nos centros de inspeção.

    Na manhã desta terça, no entanto, houve filas de até 10 veículos por unidade de inspeção e a espera chegou a 1h10.

    A empresa aponta a coincidência de placas com o rodízio municipal como a principal razão para os atrasos. Neste mês, serão inspecionados os veículos e motos de placas final 1, exatamente os atingidos ontem pelo rodízio - finais de placa 1 e 2 não puderam circular no centro expandido das 7h às 10h e das 17h às 20h. Os atendimentos praticamente pararam às 7h30 e depois acumulou um grande volume de veículos depois das 10 horas, diz o diretor executivo da Controlar, Eduardo Rosin.

    A Controlar optou por atender os veículos que não conseguiram fazer a inspeção por causa do rodízio após o horário marcado. Isso provocou filas e atrasou até mesmo para quem estava no horário. Os funcionários da empresa não organizaram as filas por ordem de agendamento. A Controlar afirma que pode estender a inspeção para os domingos e para o período noturno, caso haja necessidade.

    Para agendar a inspeção é preciso pagar uma taxa de R$ 52,73, que será reembolsada apenas por meio de depósito em conta corrente solicitado através do site www.devolucaoinspecao.prefeitura.sp.gov.br . Quem não se submeter à vistoria dentro do prazo estipulado, que é de 90 dias antes da data limite do licenciamento junto ao Detran, não tem direito à restituição.

    (Com informações do jornal "O Estado de S. Paulo")

    Veja também:

    Leia mais sobre: inspeção veicular

      Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.