Motorista do caso Glauco pode ter pena maior que Cadu

Se for indiciado pela polícia como coautor das mortes do cartunista Glauco Vilas Boas e de Raoni, e a denúncia for aceita pelo Ministério Público (MP), o motorista do veículo que teria sido usado na fuga por Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o estudante Felipe de Oliveira Iasi, de 23 anos, pode pegar pena maior do que o assassino confesso, segundo juristas e criminalistas. Isso porque a tese alegada desde ontem pela defesa de Nunes, a de que ele é portador de transtornos mentais, pode servir, se comprovada por meio de laudos psiquiátricos, de atenuante da pena.

Agência Estado |

Sem contar que, nesse caso, em uma eventual condenação pelo Tribunal do Júri, ele não seria conduzido a uma cadeia, mas a tratamento em manicômio judiciário.

"Se considerado parcialmente incapaz de entender os atos delituosos que praticou, por transtornos mentais ou por dependência de drogas, a pena pode ser reduzida de um a dois terços", diz o professor de Direito Penal da Pontifícia Universidade Católica (PUC) Carlos Kauffman. No caso de homicídio qualificado, a pena de 12 a 30 anos pode baixar para entre 4 e 10 anos.

Já o estudante Iasi, cujo defensor já afirmou não ter conhecimento de que o rapaz é usuário de drogas, não incidiria a diminuição de pena. "Ele seria julgado pelo Tribunal do Júri por crime comum e receberia pena de reclusão por homicídio, se realmente indiciado", afirma Oliveira Filho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG