Anilton Barbosa aparentava embriaguez, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro e exame de sangue. Ele resistiu à prisão

selo

O caminhoneiro Anilton Barros Barbosa, de 32 anos, dirigiu uma carreta na contramão na madrugada desta quarta-feira por cerca de 13 quilômetros da Rodovia Anhanguera, entre a divisa de Minas Gerais com São Paulo e o município de Aramina, no interior paulista. Ele também trafegou na contramão em um trecho de pelo menos um quilômetro e meio no Estado de Minas, onde começou a viagem. O caminhoneiro só parou no quilômetro 437 da Anhanguera, após um bloqueio da Polícia Rodoviária de São Paulo, que teve auxílio das Polícias Militares de Igarapava e de Aramina. Não houve acidentes no trajeto.

A Anhanguera termina em São Paulo no quilômetro 450 e usuários da pista e policiais rodoviários de Minas alertaram a Polícia Rodoviária paulista, que tem uma base no quilômetro 448, em Igarapava. Barbosa, porém, não obedeceu a sinalização e seguiu em frente. A tentativa de abordagem começou por volta das 2h30. Somente 15 minutos depois, com o bloqueio organizado, o caminhoneiro parou. O veículo, com placas de Itu, estava descarregado.

Barbosa aparentava embriaguez, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro, exame clínico e exame de sangue. Ele resistiu à prisão. Visivelmente alterado, o caminhoneiro foi levado para a Delegacia de Aramina, onde foi registrado boletim de ocorrência por embriaguez ao volante e resistência à prisão. Barbosa disse que seguia para Minas Gerais, ou seja, nem sabia em qual direção estava indo. Após ser ouvido, ele foi liberado - não foi estipulada fiança. A carreta ficou apreendida na base da Polícia Rodoviária de Igarapava, mas no fim da manhã desta quarta-feira foi retirada pela empresa proprietária. O caminhoneiro responderá a processo e poderá perder a carteira de habilitação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.