Mostra no Sesc Pinheiros busca recriar significados

O Sesc Pinheiros, na capital paulista, inaugura hoje para o público a coletiva Realidades Imprecisas , que reúne obras de 13 jovens criadores que buscam ultrapassar o automatismo contemporâneo. Na mostra, com curadoria de Carolina Soares, a diversidade de obras coloca em evidência um campo caro da produção contemporânea: o da “ressignificação das coisas”, o da criação de ambiguidades a partir de elementos da realidade cotidiana, alguns deles tão banais.

Agência Estado |

Na entrada da mostra, no térreo, o díptico de fotos de um dos expositores, Orlando Maneschy, já remete a uma ideia que perdurará por todo o percurso da exposição. Uma imagem revela uma porta com cortina esvoaçante na qual um homem adentra e a outra, o local depois dessa ação. Mesmo assim, o curioso das passagens para o “campo sensível”, traduzidas em todas as obras da mostra ou nessa especificamente, é que o espectador não vai atravessar o espelho como a Alice de Lewis Carrol. Do outro lado não encontrará fantasia ou maravilhas, mas uma sensação de imprecisão a partir do real.

Evoca-se um mergulho nos trabalhos para que se ultrapasse uma espécie de “automatismo convencional pelas palavras”, como diz a curadora. “O enunciado é ampliado em seu caráter conotativo para abarcar outros sentidos”, completa. Fazem parte da exposição os artistas Thiago Honório, Débora Bolsoni, Fabiana Queirolo, Flamínio Jallageas, Flávia Bertinato, Helena Martins, Marcelo Amorim, Mariano Klautau Filho, Milena Travassos, Nino Cais, Orlando Maneschy, Tatiana Blass e Tatiana Ferraz. A exposição vai até 19 de abril e fica aberta de terça a sábado, das 10h30 às 21h30 e aos domingos, das 10h às 18h30. A entrada é franca. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG