Mostra em São Paulo revê história do diretor de teatro Zé Celso

SÃO PAULO ¿ Aos 72 anos, o diretor José Celso Martinez Corrêa diz não ter medo da morte, mas que gostaria de viver por muito tempo. Com o desejo de ter sua obra reconhecida ainda em vida ¿ e não de virar nome de rua depois de morrer ¿, ele confessa que ultimamente se emociona com facilidade.

Agência Estado |

Divulgação

Zé Celso "ocupa" Itaú Cultural

Na década de 1980, em Brasília, Zé Celso gravou um vídeo bradando os versos do samba de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, que dizia "se alguém quiser fazer por mim, que faça agora". A partir de hoje, o diretor e fundador do grupo de teatro Oficina tem seu pedido atendido, com a Ocupação Zé Celso, exposição no Itaú Cultural, em São Paulo, que divide com o público toda sua trajetória.

Com 12 espaços cenográficos, a mostra aborda praticamente a vida inteira do diretor, já que traz fotos inéditas de Zé Celso ainda bebê até uma conversa que ele teve na semana passada pelo Skype com a curadora Elaine César. Além disso, um ambiente é formado com cerca de mil anotações feitas por Zé Celso durante seu processo criativo.

Ninguém vai ver tudo. Existe um excesso proposital, porque o Zé é um excesso. Ninguém consegue acompanhá-lo por inteiro. Existem mil Zés Celsos, diz Marcello Drummond, ator do Teatro Oficina há mais de 20 anos, e um dos curadores da mostra.

Serviço ¿ Ocupação Zé Celso
De 30 de julho a 06 de setembro
Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149)
De terça a sexta, das 10h às 21h; sábados e domingos, até 19h
Entrada franca
Informações: (11) 2168-1776

Leia mais sobre: Zé Celso Martinez Correa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG