Mostra Cinema de Bordas começa hoje em São Paulo

SÃO PAULO ¿ A mostra Cinema de Bordas começa hoje e vai até domingo no Itaú Cultural, em São Paulo. São filmes produzidos por lavradores, faxineiros, auxiliares de enfermagem, professores de kung-fu e por aqueles que estão à margem do cinemão oficial.

Agência Estado |

"É um tipo de cinema que vai além do que a crítica considera bom ou ruim. Simplesmente, não consideram esses trabalhos dignos de estudo. Puro preconceito", diz a curadora da mostra e doutora em cinema para ECA-USP, Bernadette Lyra.

Diretor Lucas Moreira (esq) e o protagonista do filme "O Soco Silencioso" / Divulgação

Os filmes selecionados têm diversas características em comum: custos baixíssimos (de R$ 30 a R$ 300), a utilização de equipamentos amadores e a participação de amigos e parentes nos elencos ¿ além de uma dose incrível de improviso e espontaneidade. As histórias giram em torno de extraterrestres, lutadores de artes marciais, monstros e bizarrices em geral. "Tem coisas sensacionais como o Rico Pobre, de Manoel Loreno, o Manuelzinho. Ele é faxineiro e fez um filme que tem momentos de cinema burlesco e Chaplin", fala Bernadette.

A sinopse de "Rambú IV - O Clone" é uma pérola: um cientista cria um soldado com as mesmas características de Rambú, que se une ao travesti Put Lane, morto no filme anterior da série, "Rambú III, o Rapto do Jaraqui Dourado", mas ressuscitado em um culto de umbanda. Os dois vilões partem então para destruir a Amazônia, mas a floresta é protegida pelo Rambú verdadeiro. O diretor de "Rambú" (assim com acento agudo no "u" mesmo) é Junior Castro, 43 anos, consultor de vendas e serralheiro desempregado.

O lavrador Francisco Caldas de Abreu Jr, 43 anos, vive em Pedralva, no sul de Minas Gerais. "Trabalho na colheita de café", conta. Em um momento, raro, de ócio, ele teve a ideia de pegar a câmera (dessas de filmar festinhas de aniversário). "Só com gente daqui, sem pagar ninguém, filmei 'A Dama da Lagoa', uma história de amor que ultrapassa os limites humanos". Abreu também tem outro filme na mostra, "O Farol", sobre uma lenda que corre em sua cidade. "Eu falo de um tipo de carro fantasma. Na verdade, ninguém vê o carro, só os faróis", explica.

Outro cineasta curioso é pernambucano José Manoel, 56 anos, que trouxe para a mostra "Aventuras De Um Caçador". Trata-se da história de um menino que se embrenha no meio do mato atrás do pai que nunca viu. Do Interior de São Paulo vem a série "Insector Sun", uma série que já dura 11 filmes. O criador e diretor é o professor de kung fu Christiano Silva, 30 anos. "Os filmes são baseados naqueles clássicos japoneses de luta. Insector já é um sucesso na internet", afirma.

Mostra de Cinema de Bordas . De hoje a domingo. Entrada Franca. Endereço: Itaú Cultural, Avenida Paulista, 149. Tel: (11) 2168- 1776/1777.

    Leia tudo sobre: cinemacinema brasileiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG