Mortos sobem a 118 em SC; governador anuncia pacote

SÃO PAULO (Reuters) - A morte de um morador do município de Timbó elevou a 118 o número de vítimas fatais da pior tragédia climática de Santa Catarina, no dia em que o governador do Estado anunciou um pacote de medidas para reduzir o estrago feito pelas chuvas na economia do Estado e na sociedade, informou a Defesa Civil nesta quarta-feira. O governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) pretende agilizar o repasse dos recursos prometidos pelo governo federal e previstos na medida provisória 448, de 26 de novembro, que destina quase 2 bilhões de reais a Estados atingidos por calamidades.

Redação com Reuters |

Segundo o governo catarinense, a ajuda federal ao Estado deverá consumir mais da metade desse valor, levando-se em conta a dimensão da tragédia que deixou 14 municípios em estado de calamidade pública e 58 em situação de emergência.

Para conseguir a rápida liberação do dinheiro, o governador nomeou um Grupo de Reação, chefiado pelo secretário de Articulação Nacional, Geraldo Althoff, que ficará "encarregado de articular em Brasília as respostas às necessidades dos municípios atingidos pela catástrofe".

O pacote inclui também uma série de medidas na área tributária.

O número de desalojados e desabrigados no Estado, que já chegou a superar 78 mil, continua diminuindo à medida que as pessoas voltam para suas casas com a melhora do tempo. Na noite de quarta-feira, esse número era de 32.769.

Governo supende pedido de doação de mantimentos

O governo de Santa Catarina informou nesta quarta-feira que as centenas de toneladas de doações recebidas pelas Centrais de Arrecadação e Distribuição, montadas pelo Governo do Estado, já superaram a capacidade de armazenamento disponível no momento. Para facilitar a logística de distribuição a Defesa Civil catarinense pede que as arrecadações sejam suspensas momentaneamente e que o transporte das doações, já previsto, seja agendado através do telefone: 48 - 4009 9886. Doações em dinheiro continuam sendo solicitadas . Os últimos dados divulgados dão conta que um total de R$ 16 milhões foi arrecadado.

"Neste momento as centrais estão cheias e não há espaço físico para receber mais suprimentos. Em alguns pontos, caminhões enfrentam longas filas para descarregar as doações" garante o diretor da Defesa Civil, major Márcio Luiz Alves.

A orientação é para que o transporte de doações só seja programado a partir da próxima semana, quando passará a operar uma nova Central de Arrecadação e Distribuição, com 10 mil metros quadrados, na Grande Florianópolis. "Neste momento não há necessidades, porém é importante lembrar que muitos abrigos ficarão ativados durante meses e será necessário abastecê-los, com os recursos armazenados", explica o diretor.

Doações em dinheiro continuam sendo solicitadas , sendo que além de facilitar a logística de arrecadação e distribuição, movimentam a econômica local dos municípios afetados.

Para o secretário da Justiça e Cidadania, Justiniano Pedroso, a solidariedade dos brasileiros superou todas as expectativas e demonstra a dimensão do desastre. "Santa Catarina agradece as milhões de demonstrações de apoio de cidadãos brasileiros e empresas que se mobilizam para ajudar a reconstruir a vida das vítimas do desastre. As demonstrações de solidariedade fortalecem o trabalho de todas as equipes envolvidas e somam-se aos esforços dos governos para garantir o retorno da normalidade", afirma.

Conforme a demanda a Defesa Civil catarinense poderá divulgar novos pedidos de doações.

    Leia tudo sobre: santa catarina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG