Mortos chegam a 116 em SC; doenças preocupam

SÃO PAULO, 1o (Reuters) - As mortes de uma criança de 7 anos e de uma idosa, salva no final de semana após um deslizamento de terra, elevaram para 116 o número de vítimas fatais da pior tragédia climática de Santa Catarina, informou a Defesa Civil do Estado nesta segunda-feira. E as doenças relacionadas a enchentes já começam a preocupar as autoridades. Ambas as mortes ocorreram no município de Luiz Alves, um dos mais afetados pelas chuvas, com um total de 10 mortos. Lícia Luciane, 66 anos, havia sido vítima de um deslizamento de terra na localidade do morro do Serafim. Socorrida, morreu em um hospital no município de Itajaí. Já Luiz Felipe Soplisk estava desaparecido após um deslizamento ocorrido no domingo, que deixou feridos dois homens da Força Nacional de Segurança, segundo a Defesa Civil.

Reuters |

Nove dias após o registro das primeiras mortes pela chuva no Estado, 31 pessoas seguem desaparecidas e as autoridades se esforçam para levar comida, água e outros suprimentos para as mais de 78 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas.

O grande número de pessoas que ainda permanecem nas áreas de risco e a insistência de muitas famílias em permanecer em suas casas nesses locais são as maiores preocupações da Defesa Civil no Estado.

"Isso é um problema sério", disse à Reuters o subtenente do Corpo de Bombeiros Edemilson Irineu Correa, chefe de Operações da Defesa Civil catarinense. "As equipes retiram as pessoas desses locais, mas dois ou três dias depois elas voltam para lá."

Na semana passada, a Polícia Militar chegou a ser acionada para promover a retirada forçada de moradores que se recusavam a deixar áreas de risco no município de Ilhota. Essa determinação continua, segundo Correa. A situação é mais crítica nos municípios de Luiz Alves e Ilhota, recordista em mortes no Estado: 37.

Além da retirada de pessoas em áreas de risco, e do socorro aos desabrigados, as doenças relacionadas à chuva passaram a ser uma preocupação das autoridades catarinenses.

A Secretaria da Saúde do Estado informou na segunda-feira ter registrado dez casos suspeitos de leptospirose nos municípios de Blumenau e Ilhota no final de semana.

A doença, transmitida principalmente pelo contato com a urina de ratos, é frequentemente registrada em enchentes.

LULA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a afirmar nesta segunda-feira que o governo federal vai se esforçar para reconstruir o Estado de Santa Catarina, mas disse que as obras só poderão começar quando a chuva der uma trégua.

"A única coisa que nós lamentamos é que é impossível trabalhar com chuva. Nós não poderemos recuperar as estradas, nós não podemos reconstruir as casas enquanto permanecer a chuva, enquanto a cidade estiver cheia de água. Nós vamos ter que esperar a água baixar, pra que a gente comece a colocar o Estado numa situação de normalidade", afirmou Lula em seu programa de rádio Café com o Presidente.

Nesta segunda-feira foi inaugurado o hospital de campanha das Forças Armadas entre as cidades de Itajaí e Ilhota.

(Reportagem de Fabio Murakawa e Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG