SÃO PAULO (Reuters) - O número de mortes pela gripe H1N1 no Brasil subiu para 512 nesta terça-feira, com novas confirmações em Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Este total indica que o Brasil responde por cerca de 20 por cento do número de mortes pela nova gripe no mundo, levando-se em conta os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgados na sexta-feira.

De acordo com números da entidade, existiam 1.799 óbitos pelo vírus no mundo. Na ocasião, o Brasil somava 487 mortes.

Na sexta-feira o Brasil já era o segundo país com maior registro de mortos pela nova doença em números absolutos, atrás apenas dos Estados Unidos, mas à frente da Argentina e do México, epicentro da pandemia global da doença.

O Ministério da Saúde deve divulgar um balanço com dados atualizados da nova gripe no país na quarta-feira.

Nesta terça-feira, Minas Gerais confirmou mais seis mortes e agora soma 12 óbitos. Santa Catarina registrou a 12a vítima e o Rio Grande do Sul teve mais duas mortes, o que levou o total de óbitos no Estado para 96, informaram as secretarias estaduais de Saúde.

São Paulo ainda é o Estado mais atingido pela nova gripe no país, com 179 mortes, segundo dados divulgados na sexta-feira.

Também foram registradas mortes no Paraná (154 vítimas), Rio Grande do Sul (94), Rio de Janeiro (49) e Paraíba (2).

Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Roraima tiveram uma morte cada.

(Por Hugo Bachega)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.