O escritor egípcio de língua francesa Albert Cossery morreu neste domingo em Paris aos 94 anos, no hotel onde morava há mais de 60, informaram esse estabelecimento e a editora Joelle Losfeld.

"Dias antes de sua morte, este homem magnífico fazia seu passeio habitual: nos cafés de Flore e Deux Magots...", acrescentou a direção do hotel.

Cossery foi o autor de oito livros escritos com um estilo sarcástico e humor impregnado de sabedoria oriental, que foram traduzidos para 15 línguas.

Sua obra, que faz um elogio à indigência e a preguiça, concebidas como uma arte de viver e uma filosofia, retratava o povo humilde do Cairo, onde nasceu no dia 3 novembro de 1913.

Como seus personagens, Albert Cossery decidiu não possuir nada e vivia desde 1945 no mesmo quarto de um modesto hotel de Saint Germain des Prés, o hotel de La Louisiane.

Filho de pai rentista e mãe analfabeta, formado nas escolas francesas do Cairo, começou cedo na literatura francesa clássica e descobriu Paris aos 17 anos.

Chamado de "Voltaire do Nilo" por sua ironia contra os poderosos escreveu livros como "Mendigos e altivos", "Uma conjura de saltimbancos", "A casa da morte certa", "Violência e escárnio", "Mandirões no vale fértil" e seu último romance "As cores da infâmia" (1999).

Seu primeiro romance, "Os homens esquecidos de Deus", foi apresentado nos Estados Unidos por Henry Miller, nos anos 40.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.