FLORIANÓPOLIS - Nélida Rivalko Stand, de 62 anos, morreu hoje no Hospital Regional de São José, em Santa Catarina, devido a complicações provocadas pelas graves lesões sofridas durante o acidente com um ônibus de turismo argentino na noite de domingo. A vítima estava internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia do acidente.

Agora são oito as vítimas do acidente do ônibus que transportava 35 argentinos, em sua maioria mulheres aposentadas, de Balneário Camboriú (SC), onde passaram cinco dias de folga, para a província argentina de Misiones, onde viviam.

A argentina que morreu hoje já apresentava estado muito grave e havia tido as duas pernas amputadas.

AE
Ônibus que seguia para a Argentina caiu na ribanceira

Ana Maria Bratko, de 75 anos, está sob observação na UTI semi-intensiva e o guia turístico José Figueroa, que teve fratura no fêmur e na tíbia, deve receber alta ainda hoje. Os demais passageiros voltaram na quarta-feira para casa, em um avião Hércules C-130 da Força Aérea Argentinas.

O consulado da Argentina em Florianópolis informou que está tratando dos trâmites burocráticos para repatriar o corpo da nova vítima.

O ônibus caiu de um barranco de aproximadamente 60 metros, em uma curva no quilômetro 65 da rodovia BR-282, na altura de Rancho Queimado, município próximo a Florianópolis.

Um dos motoristas do ônibus, também argentino, foi preso  na quarta-feira pela Polícia de Santa Catarina, a fim de quer impedir que ele saia do país antes que terminem as investigações.

Nos próximos dez dias, prazo para a conclusão do inquérito que vai apurar as causas do acidente, ele ficará à disposição da Justiça. A polícia suspeita da imprudência do motorista como causa principal do acidente.

(com informações da Agência Estado e da Agência Efe)

Leia mais sobre acidente de ônibus

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.