O homem de 53 anos que no início do mês ficou com dois corações após transplante realizado no Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas, em São Paulo, morreu às 4h30 de ontem, por falência de múltiplos órgãos. O homem ficou com dois corações porque a doença cardíaca que tinha provocou também hipertensão pulmonar.

O “novo” coração foi colocado no lado direito do peito e se ligava ao órgão original pela veia cava e artérias pulmonar e aorta.

A cirurgia foi feita no dia 04 e, após o procedimento, os médicos declararam que o paciente tinha 50% de chance de sobrevida. O procedimento, chamado transplante heterotópico, foi indicado porque o homem sofria há nove anos de insuficiência cardíaca. O novo órgão foi colocado para funcionar como uma bomba hemodinâmica auxiliar do processo de circulação. As informações são do Jornal da Tarde .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.