Morcego se torna principal transmissor da raiva no País, diz Saúde

O Ministério da Saúde informou que o perfil epidemiológico da raiva entre humanos mudou no País. Os morcegos passaram a ser os principais transmissores da doença viral desde 2004, no lugar dos cães domésticos, explica Marcelo Wada, veterinário responsável pelo grupo técnico da pasta que cuida da doença.

Agência Estado |

O Hospital Oswaldo Cruz, no Recife, e o ministério confirmaram na quinta-feira passada o primeiro caso de cura de raiva em humanos no País. Um rapaz de 15 anos eliminou o vírus da doença, contraído após a mordida de um morcego hematófago, depois da aplicação de tratamento experimental originado nos Estados Unidos e que combina sedativos com antivirais.

A raiva é uma doença transmitida por animais e que mata, depois de gerar um quadro de dor de cabeça, salivação excessiva, convulsões e mudança de comportamento. Dois óbitos ocorreram neste ano no País, um por morcego, outro por mordida de macaco. A queda no número de cães transmissores do problema deve-se ao sucesso de campanhas para vacinação dos bichos contra a doença.

No entanto, em razão de os morcegos passarem a ser o principal risco, é preciso divulgar mais outras estratégias de prevenção, explica Wada. A primeira é que mordidas deste e de outros animais silvestres, como macacos, também devem ser obrigatoriamente seguidas por lavagem da ferida. Rapidamente, a vítima deve buscar um serviço médico para ser vacinada contra a raiva humana e/ou receber soro anti-rábico. A presença de morcegos em região habitada deve ser alertada às autoridades de saúde e agricultura, recomenda ainda a pasta.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG