Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Moradores de morro no Rio voltam a reformar casas

Em regime de mutirão, os moradores do Morro da Providência, no centro do Rio, voltaram hoje a trabalhar nas reformas das casas após autorização do juiz Fábio Uchôa, responsável pela fiscalização da publicidade eleitoral na capital fluminense. Uchôa embargou na terça-feira as obras do Projeto Cimento Social sob a alegação de uso eleitoral pelo pré-candidato a prefeito da capital Marcelo Crivella (PRB).

Agência Estado |

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o juiz autorizou os moradores e a empreiteira a terminar apenas as 30 habitações que ficaram inacabadas - 16 delas estavam sem telhado.

"Ficamos felizes, pois, durante este período de até 25 dias em que vamos terminar as casas, lutaremos para que toda a obra seja finalizada", disse o encarregado da obra, Alex Oliveira dos Santos. A presidente da Associação de Moradores do Morro da Providência, Vera Melo, foi a Brasília pedir ao ministro das Cidades, Márcio Fortes, a liberação dos recursos para pagar os operários e fazer um apelo pela continuidade da obra sem a presença do Exército. Um representante da Construtora Edil, que aluga as máquinas, oferece técnicos e realiza os pagamentos aos trabalhadores acompanhou Vera na capital federal.

O mutirão terminou com a disputa política que surgia entre o governo do Rio e a prefeitura pelo controle da obra. O governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) voltou a afirmar que assumiria a obra, apesar de criticar a proposta por não ter "um caráter estruturante". A assessoria da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) informou que empresários depositaram doações que somaram R$ 95 mil na conta da associação de moradores do morro para o término das obras, mas que o secretário Macelo Garcia ficaria afastado da Providência "em respeito à decisão do TRE-RJ, que proibiu o poder público de se envolver na questão".

Entre as beneficiadas pela retomada das obras, estava a dona de casa Maria Gonçalves de Albuquerque, de 26 anos. A casa de Maria estava sem teto desde a paralisação dos operários em protesto contra a morte dos três jovens moradores do morro levados por militares para traficantes do Morro da Mineira, no Catumbi (zona norte), que é dominado por uma facção rival à que controla as bocas-de-fumo da Providência. "Fiquei feliz porque colocaram o teto, mas perdi um sofá por causa da chuva. A casa está melhor do que antes", disse.

Exército

Após a saída do Exército com o embargo da obra, a Polícia Militar (PM) reforçou o policiamento no trecho de 100 metros da Rua Barão da Gamboa, onde acontecem os trabalhos. Hoje, a pedido de PMs, operários apagaram as pichações com as siglas do Comando Vermelho (CV), facção criminosa que domina a favela. As pichações feitas com os tijolos das obras surgiram ontem, no dia seguinte ao embargo e à saída do Exército do morro.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG